quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Tags: , , , ,

Corte no Bolsa Família, Redução da Meta Fiscal, Saída do Ministro da Fazenda, Quantitative Easing...


Daqui 15 minutos abrirá o mercado de futuros. Teremos uma ideia de como será o dia de hoje na bolsa. A previsão é de que teremos um dos dias mais nervosos do ano e o noticiário já começa agitado...


Do Valor Econômico...

“Joaquim Levy acertou com a presidente Dilma Rousseff sua saída do governo já há alguns dias. Mas ficará por mais um tempo breve no cargo de ministro da Fazenda até que Dilma encontre um substituto e o cenário político fique mais nítido”.

Quantitative Easing

Começa hoje o processo de reversão da política monetária americana. Para entender este processo é preciso relembrar o que aconteceu quando a crise global estourou em 2008. Naquele momento a economia parou, o crédito sumiu e o mercado de títulos emperrou (ninguém comprava, ninguém vendia).

Foi então iniciado pelo FED o processo de afrouxamento quantitativo (Quantitative Easing). O governo americano passou a comprar uma grande quantidade de títulos públicos e privados o que resultou em um despejo de US$ 3,5 trilhões no mercado.

Com isto, objetivou-se azeitar a economia e diminuir o desemprego. Sete anos após este objetivo foi atingido. O PIB dos E.U.A. tem crescido 2,4% e o desempregou caiu para 5%. Agora, depois de vários adiamentos, o FED começa a reverter o afrouxamento hoje.

Na prática a revenda dos títulos vai retirar dólares do mercado. Os juros subirão por força da lei da oferta e da procura: com a redução de moeda em circulação seu preço tende a subir. Um dólar mais forte, por sua vez, comprará mais bens e mais serviços.

Aí entra um novo problema a ser estudado pelo FED. O custo de vida nos E.U.A. que está crescendo ao ritmo de 0,5% tende a diminuir levando a um risco de deflação. Este seria um problema tão ou até mais grave do que a inflação, pois levaria a uma queda no consumo reduzindo a arrecadação. A deflação não seria consequência apenas da valorização do dólar. Seria ocasionada também pela queda atual das commodities como por exemplo o petróleo.

O Quantitative Easing beneficiou também outros países. Na medida em que ocorreu um excedente de capital, investidores dos E.U.A. buscaram mercados com atrativas taxas de retorno para se investir. Portanto países como Brasil, Índia e Rússia, onde se encontram as mais elevadas taxas de juros, acabaram captando maior volume de capital financeiro.

Agora, para o Brasil a reversão do afrouxamento quantitativo é encarada como um problema. Teremos o aumento dos juros da dívida externa e também veremos os dólares tomando rumo aos E.U.A.

2 comentários:

  1. Os FIIs estão tendo uma quarta feira negra.
    Pq?
    Governo quer taxar rendimentos de FIIs, LCI e LCA

    Mas nada que o tal de LAFFER não resolva nos próximos 2-4 anos e f*** de vez a economia.

    Estou pensando seriamente em vender que o que tenho e colocar nos EUA mesmo que eu "tenho uma perda"

    Mais seguro ter $1 nos EUA que R$4 nessa budega!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que caia, que caia, segue o monitoramento de compra de ações e FIIs...

      https://docs.google.com/spreadsheets/d/1VbTVgXjt30tWDtAQGS4D12P1uIdTyR3GEZkub9hw9Gc/pubhtml

      Vai faltar dinheiro...

      Excluir