terça-feira, 7 de junho de 2016

Tags: , , , , , , ,

Estácio (ESTC3): A Bola da Vez


Dias atrás começou a circular na imprensa um burburinho de que a Kroton teria intenção de incorporar a Estácio e para isto estava preparando um oferta de troca de ações na ordem de 0,977 ações KROT3 para cada ação ESTC3. A reação do mercado foi imediata, o preço das ações da Estácio subiram de 10 reais para quase 15. As ações da Kroton também subiram mas em menor proporção.

O burburinho tomou mais fôlego hoje com notícias de que a Kroton estaria disposta a aumentar a oferta. Isto pode ter sido causado pelo fato de que a Ser Educacional entrou na história com a mesma intenção da Kroton.  A Ser estudava uma proposta de fusão com a Estácio desde o final de 2015. O plano era apresentá-la em meados de agosto, quando provavelmente, já estaria aprovada uma nova regulamentação sobre o Ensino a Distância no Brasil. Ao tomar conhecimento de que a Kroton estava com a mesma ideia, os executivos da Ser apressaram o passo e enviaram conselho da Estácio a ideia da fusão.

A Ser enxerga a fusão como uma "complementaridade", tanto em termos geográficos, quanto de mercado. "A região Norte e Nordeste, por exemplo, é uma em que nós competimos hoje. Mas conseguiríamos criar uma fortaleza ali, que não seria excessiva e poderia ser expandida. Já a Estácio é muito forte no RJ e, em SP, poderia complementar nossas operações", diz Rodrigo Alves, diretor de R.I.

Fonte: Exame

Geraldo Samor é um jornalista que costuma soltar "furos mercadológicos" vez ou outra.  Se onde tinha fumaça suspeitava-se que havia fogo, nesta tarde ele jogou mais lenha na fogueira. Segue na íntegra seu post sobre o caso publicado agora a pouco...

Game of Thrones

Tentando se defender da oferta de aquisição que está sendo preparada pela Kroton, a Estácio vai sentar para conversar com o Grupo Uniasselvi. O BTG Pactual, banqueiro da Estácio, já fez a primeira ligação.

Uma das maiores instituições de ensino à distância do País, a Uniasselvi era parte da Kroton até outubro do ano passado, quando foi vendida para o Carlyle e a Vinci Partners.

Se comprar a Uniasselvi numa troca de ações, a Estácio estará engolindo uma pílula de kriptonita que enfraqueceria muito as chances da 'super Kroton', já que a Kroton voltaria a enfrentar, no CADE, a mesma questão regulatória que forçou a venda da Uniasselvi em primeiro lugar.

Apenas para ilustrar: assumindo um preço de R$1,6 bilhão pela Uniasselvi e o valor de mercado atual da Estácio de R$4,8 bilhões, os acionistas da Uniasselvi ficariam com 25% da nova empresa.

No mercado de EAD, a Kroton ainda é a líder com 38%, seguida pela Estácio (com cerca de 9,3%) e pela própria Uniasselvi, que hoje tem 8% e, com a abertura de novos campi, deve logo chegar a 10%. (Outros dois players — Uninter e UNIP — também têm 9% do mercado, cada.)

Para a Estácio, a Uniasselvi oferece uma vantagem adicional: trata-se do único ativo de educação com escala relevante e uma governança relativamente fácil de costurar, já que é totalmente controlada por dois players financeiros — sem a bagagem ocasional de egos, paixões e idiossincrasias trazida por empresários-fundadores.

Neste cenário, a ideia de que a Estácio hoje se inclina pela proposta alternativa de fusão com a SER Educacional nada mais é que aquele jogo adolescente em que você dá em cima de uma garota para aumentar o interesse da outra. Nos termos da proposta da SER, o CEO do grupo, Janguiê Diniz, ficaria com 22% da nova empresa, enquanto Chaim Zaher, o maior acionista e conselheiro da Estácio, ficaria com 10%.

Pouca gente conhece a cabeça de Chaim, que construiu um império de educação básica e o vendeu para a Pearson quando o Brasil ainda estava no topo. Agora, não se sabe se ele quer ser um protagonista ou se está satisfeito em ser um acionista relevante — porém não controlador — de uma empresa listada. Se Chaim buscar um papel de destaque, muito provavelmente os fundos que controlam a Uniasselvi poderiam acomodá-lo.

Quando a Estácio sentar para conversar com a Uniasselvi, o CEO Rogério Melzi encontrará do outro lado da mesa um rosto familiar: Pedro Graça, o ex-diretor de ensino à distância da Estácio, é hoje o presidente da Uniasselvi, o que facilitaria a integração.

Para a Uniasselvi, a consolidação disparada pela Kroton criou o melhor dos dois mundos: se ela for comprada pela Estácio, provavelmente o ágio será grande. Mas se a Kroton pagar caro pela Estácio e prevalecer, a nova Kroton-Estácio terá que se desfazer dos ativos de educaçào à distância. Adivinha quem vai ser o comprador.

Já a dupla Carlyle-Vinci tem a chance de pedalar o que se mostrou um ótimo investimento num setor que implodiu com o fim da 'bolha FIES' e agora tenta se reinventar. Os fundos pagaram R$1,1 bilhão pela Uniasselvi, mas apenas R$400 milhões foram pagos à vista. Outros R$450 milhões foram parcelados em cinco anos (de 2018 a 2022), e mais R$255 milhões serão pagos como ‘earnout’, ou seja, se a Uniasselvi atingir metas operacionais pré-estabelecidas.

No mercado, muita gente acredita que a Kroton, comandada por Rodrigo Galindo e representada nas conversas pelo Itaú BBA, ainda não fez uma ‘oferta real’ pela Estácio. O que existe na mesa hoje é apenas uma relação de troca de ações que não oferece ágio nenhum aos acionistas da Estácio. O vazamento da intenção da oferta precipitou os eventos, e o preço ainda deve subir. Isso, se tudo não acabar numa oferta hostil.

Para quem gosta de Teoria dos Jogos, isso é melhor que Game of Thrones.

por Geraldo Samor

Fonte 1
Fonte 2

4 comentários:

  1. Grande Uo,

    Estas disputas sempre levam a uma correria na compra das acoes da empresa menor, que sera comprada, a maioria especula pelo boato.

    Riscos: Se o CADE bloqueia ou acontece algo que impede e cancela a negociacao, as acoes despencam.

    Lembro da falencia do Banco Cruzeiro do Sul (voce conheceu a historia Uo?), onde o banco ja falido, sendo gerenciado por um orgao do governo, estava prestes a ser comprado por um banco maior, acho que era Bradesco, BTG tambem estava na disputa ou auxiliando.

    Rodada de negociacoes, investidores comprando aos montes.

    Um que eu li mensagens no forum ADVFN havia vendido todas as acoes e colocado tudo em Cruzeiro do Sul e a cotacao disparou.

    Ai a ganancia falou mais alto: Ele havia acabado de vender um imovel para comprar outro

    Se ele iria comprar um apartamento de 400K, a ideia era comprar um de 800K com a valorizacao e venda quando duplicasse o preco da acao.

    Ele entrou com todo capital.

    No dia seguinte, nao houve negocio e na segunda-feira proxima as acoes nao foram mais negociadas em bolsa ...

    Especulacao pode dar muito certo, mas as vezes da muito errado.

    Nao sera o caso acima, mas serve como parametro.

    Abraco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não conhecia a história deste banco, e realmente se a negociação não for pra frente as ações vão cair. Por via das dúvidas já lancei ordem de algumas ações da ESTC3 que tinha comprado semanas atrás. Estou pedindo 15,15, vamos ver se alguém compra a oferta, rs.

      Excluir

  2. Muito bom, parabéns.
    veja o meu blog
    http://ezequiasanacleto.blogspot.com.br
    Abraço e sucesso

    ResponderExcluir