quarta-feira, 16 de outubro de 2019

3Fs: Family, Friends and Fools

No mundo do empreendedorismo e das startups existe um conceito muito difundido: 3 F’s - Family, Friends and Fools...


Family, Friends and Fools é uma expressão muito utilizada no âmbito do empreendedorismo e das startups e representa o conjunto de pessoas a quem o empreendedor pode recorrer em primeiro lugar para obter recursos quando pretende desenvolver uma ideia de negócio. Geralmente são pessoas com quem se têm laços familiares e/ou de amizade e que acreditam no potencial da sua ideia de negócio.

O motivo pelo qual os tolos (fools) estarem neste grupo está relacionado ao risco associado a empréstimos ou investimentos em um negócio ainda incipiente. Geralmente, esses indivíduos não são investidores sofisticados, ao contrário, investem de maneira tola ou extravagante.

O dinheiro proveniente do grupo 3F é comumente chamado de "love money". Em contrapartida, o dinheiro proveniente de investidores profissionais é chamado de "smart money". O dinheiro do amor (love money) é recebido principalmente das pessoas no ambiente de fundadores, como amigos e familiares, enquanto o dinheiro inteligente (smart money) está um passo adiante e fornece, além do dinheiro, conhecimento e know-how importante.

Os investidores de smart money geralmente são pessoas de negócios sofisticadas, que trazem uma compreensão dos mercados financeiros, redes fortes e uma intuição para identificar tendências antes de outras pessoas. Em contrapartida, as vantagens do dinheiro do love money são óbvias: boas taxas, padrões de crédito brandos e a chance de investidores FFFs participarem do sucesso do empreendedor iniciante.

No entanto, existem algumas desvantagens notáveis no love money que também devem ser consideradas. Primeiramente, as relações podem sofrer. A conexão pessoal pode levar os investidores amorosos a ignorar a incerteza de um empreendimento comercial de alto risco. As expectativas em relação ao reembolso, por exemplo, podem ser muito altas, o que leva à decepção, se o amigo ou membro da família não tiver sido claro sobre os possíveis riscos.

Outro problema pode ser a falta de documentação. Se um acordo não for muito claro e não for devidamente documentado, poderá causar problemas mais tarde. Além disso, se os termos e condições estiverem documentados, outro obstáculo em potencial pode estar deixando de segui-los. A melhor papelada é inútil, se você não se importa com a supervisão.

3Fs no Dia-a-Dia


Podemos extrapolar este conceito dos 3Fs e levá-lo para o dia-a-dia das pessoas comuns. Se você é um leitor deste blog, trabalhador, poupador, estudioso, planejador e investidor consciente provavelmente tem hoje uma vida financeira equilibrada e livre de grandes riscos.

A realidade nua e cura é que você faz parte de um percentual muito pequeno da população do nosso país. Isto é, a maior parte das pessoas em sua volta são "Family and Friends" em risco financeiro eminente. E neste contexto fatalmente você terá que entrar com algum recurso para socorrer alguém deste grupo.

Então onde fica o Fool neste história? Ao acordar de manhã e for lavar o rosto no banheiro você estará olhando para ele. Este é o ônus das pessoas financeiramente equilibradas. Vez ou outra deverá encarnar o papel do Fool para socorrer algum Family or Friend em situação financeira caótica.

16 comentários:

  1. Olá, UÓ.

    Não conhecia esse termo. Bem interessante.
    Pois é, esse negócio de ficar socorrendo os outros é complicado. Ainda bem que não precisei fazer isso.

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ajudar pessoas é engrandecedor, mas tem umas que forçam a amizade, rs

      Excluir
  2. Também achei interessante, Uó! Acrescento, porém, que, encarnar o papel do terceiro "F" acaba sendo uma decisão pessoal de cada um. Há quem mereça e há quem não mereça.

    Mesmo que o encarnemos, há formas de propor garantias para o empréstimo. Que sejamos coerentes para que elas sejam estabelecidas.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A maioria não merece André, mas tem momentos que somos praticamente obrigados a ajudar, ainda mais quando se refere a familiares.
      Abraço!

      Excluir
  3. Legal essa expressão Uó!

    E também compartilho da opinião do André, cada um decide se será o fool da vez rs

    Eu uma vez fui e outra rejeitei ajuda a meu Pai. Imagina dizer não para uma pessoa dessa? Foi extremamente doloroso. Mas sabia que dinheiro era o que meu pai menos precisava.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Decisões difíceis viu, ainda mais se tratando de pai.
      Abraço

      Excluir
  4. Já fui "Fool" para "Family" e "Friends".

    Em alguns casos me arrependi e outros realmente não poderia deixar de ajudar. Nesse último caso, encaro mais como uma doação do que um empréstimo.

    Somente sai do meu bolso um valor que não impacte na meta de investimento mensal/anual. Qualquer valor acima disso, só se for em caso de doença de pai/mãe. Aí não tem muito jeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No final das contas vira doação mesmo, fundo perdido, rs

      Excluir
  5. Me peguei pensando sobre isso tudo, eu nunca precisei ser o "Fool" e espero não precisar.

    Meus pais por sortem de uma condição financeira saudável e de baixo risco, e eu acharia no mínimo interessante (e surpreendente) algum 'amigo' me pedir dinheiro ou ajuda financeira que envolvesse o aporte dos meus recursos.

    Muito reflexivo esse post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você deu sorte, a maioria das famílias vivem no limite financeiro, na minha família tem muitos casos. É um perigo constante.

      Excluir
  6. Evite falar sobre investimentos com os outros pois a chance de vierem pedir dinheiro emprestado é grande.

    Encaro empréstimo como uma doação, pois não há nada pior do que emprestar dinheiro para parentes, por exemplo, a relação acaba azedando, infelizmente.

    Fool apenas para mãe, irmãos ou alguém muito próximo, de resto prefiro manter o egoísmo em prol da minha saúde financeira e mental.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nunca falo. Minha vida é frugal, mas as pessoas percebem, só pelo seu jeito de falar, rs

      Excluir
  7. Fala Uó! Belo post! É muito do que dizem por aí, quanto menos pessoas souberem dos seus objetivos, mais bem sucedido você será! Um abraço!

    ResponderExcluir
  8. Os meus projectos na internet os blogs e o canal no YouTube no inicio são 2F família e amigos.

    Uma vez que é preciso baixo capital para começar, o dinheiro foi todo meu, para ter um domínio e uma hospedagem tem de se pagar e ainda fiz um curso sobre marketing, criação de sites e internet.

    O que tenho visto na internet nos blogs e no canal do YouTube, no inicio a família, os amigos e os colegas são os pontos mais importantes.

    Pois, o nosso site é mal rankeado no Google, o youtube também pouca gente ve no inicio, então essas pessoas nos ajudam a crescem e a divulgar o nosso trabalho, até fazer o projeto crescer e chegar em outras pessoas, começando assim a "bola de neve".

    Abraço e bons investimentos.

    ResponderExcluir