quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Tags:

Por que Aécio Perdeu em Minas?

Acesse também nosso novo site aqui.

Em 2006, Aécio Neves foi reeleito governador de Minas Gerais com 77% dos votos válidos. No começo de 2010, deixou o governo do Estado, com 92% de aprovação dos mineiros. Nas eleições daquele ano, elegeu seu vice, Antonio Anastasia, no primeiro turno, para o governo do Estado. Chegou ao Senado com uma votação impressionante. Conseguiu ainda eleger o ex-presidente Itamar Franco, que fechava sua chapa, para a segunda vaga do Senado, derrotando Fernando Pimentel (PT), recém-eleito governador de Minas.

Assim, as contas de Aécio e dos tucanos mineiros para as eleições presidenciais deste ano eram que ele teria 2,5 milhões de votos a mais do que PT em Minas Gerais  no primeiro turno. No segundo turno, a expectativa era de que  Aécio venceria a petista Dilma Rousseff por mais de três milhões de votos.

Quando as urnas foram abertas: surpresa! Aécio perdeu por mais de 500 mil votos no segundo turno – algo parecido com o que já havia acontecido no primeiro. Uma vitória pela metade dos votos que imaginavam seus correligionários – e mesmo seus adversários, que prometiam a Dilma apenas uma honrosa derrota em Minas – já seria suficiente para levar Aécio ao Palácio do Planalto.

A grande pergunta que todos tentam responder é: Por que Aécio perdeu em Minas?


Mini Brasil

O PSDB passou quase uma década vendendo a imagem de uma Minas unificada em torno de Aécio Neves. Mas o partido enalteceu tanto a imagem do estado que vendia nas propagandas oficiais que acabou acreditando nela.

A projeção triunfalista de que Aécio ganharia as eleições presidenciais com grande folga em Minas acabou se transformando na principal debilidade do PSDB. Foi derrotado no estado que, devido às suas imensas desigualdades sociais (o estado é considerado um “mini Brasil”), é tido como um reflexo eleitoral do país e, tradicionalmente, indica o vencedor da corrida à presidência da república.

De acordo com o cientista político Juarez Guimarães, a maioria do eleitorado mineiro, especialmente do ponto de vista social, se identifica mais com o nordeste do que com o sul. E isso acabou por favorecer a candidatura petista. “Das dez mesorregiões de Minas Gerais, a presidenta Dilma Rousseff foi a preferida em sete”, contabiliza ele.

O tucano Aécio Neves só obteve maioria no Sul de Minas, econômica e culturalmente ligado a São Paulo; na Grande BH, onde a máquina tucana segue firme e o antipetismo se consolida; e na Centro-oeste.

“Na capital mineira, Aécio teve uma vitória muito expressiva (64% a 35%), o que reflete uma sedimentação do antipetismo nas camadas médias da cidade. Até mesmo em Contagem, cidade industrial da grande BH onde a esquerda sempre foi majoritária, Aécio ganhou por 51% a 42”, acrescentou.

Minas sou Eu

Segundo Juarez, os mineiros entraram no 2º turno frente às duas grandes derrotas para Aécio, o que dissolveu-se toda a aura e toda a simbologia política da sua condição de disputar as eleições nacionais com o discurso de que ele representava Minas Gerais, de que ele reafirmava a unidade de Minas Gerais.

“É importante lembrar, inclusive, que nas últimas disputas eleitorais no Estado, o PSDB chegava a afirmar que ‘Minas é Aécio’. Uma afirmação talvez mais forte do que aquela do Luiz XIV de que ‘O Estado sou eu’. Em Minas, é ‘O estado e a sociedade sou eu’. Uma afirmação muito triunfalista, que revelava essa ideologia do aecismo em Minas Gerais”, acrescenta Juarez.

Contraditório

Para o cientista político, o PSDB monopolizou o discurso eleitoral no estado por quase uma década, com base em um forte controle midiático e no enfraquecimento da oposição. Em Minas Gerais, ao contrário do resto do país, houve uma aliança entre a maioria do PT com o PSDB, em 2008, para indicar Marcio Lacerda, do PSB, à prefeitura de Belo Horizonte.

“Por alguns anos, a oposição ao Aécio ficou muito enfraquecida, pelo fato do seu principal partido apoiar o governo. Então, nós passamos de uma situação em que o Aécio não tinha que enfrentar o contraditório para uma situação em que ele teve que lidar com forte contraditório, com capacidade de vocalização pública. E, ao invés de conseguir unir Minas, acabou por revelar as forças sociais dividem o estado”, esclarece.

Conforme ele, também contribuiu para o resultado  o fato de que, pela primeira vez, o PT disputou as eleições para o governo do estado muito unificado em torno de uma candidatura competitiva desde o início. E, em contrapartida, a candidatura do PSDB, que indicou Pimenta da Veiga, um político há muito tempo afastado do estado, não caiu no gosto da população. “A candidatura dele foi fruto do triunfalismo do PSDB que acreditava que, qualquer candidato posto ao lado do Aécio, ganharia as eleições.

Juarez Guimarães ressalta, por fim, que, nos últimos anos, no Estado, houve um acúmulo muito importante dos movimentos sociais de oposição ao projeto do PSDB, que conseguiram criar um espírito público de oposição no estado. Segundo ele, isso ocorreu durante a longa greve dos professores da rede estadual, que reivindicavam a aplicação do mínimo constitucional na educação e recebimento do piso nacional do magistério.

“Isso reorganizou a CUT (Central Única dos Trabalhadores) e resultou na criação de um movimento de grande impacto, o ‘Quem luta, educa’, que faz campanhas permanentes em tornos de questões sociais, como um plebiscito sobre a elevação das tarifas da energia, uma das mais caras do país”, acrescenta.

Outras Explicações

Segundo o jornalista Leopoldo Mateus em matéria publicada na revista Época, três explicações são dadas, tanto por petistas quanto por tucanos, para o fiasco de Aécio em Minas: o erro de Aécio ao escolher seu candidato (Pimenta da Veiga)  para o governo do Estado; o acerto do PT na escolha do seu (Fernando Pimentel), que conseguiu unir os petistas, divididos desde as eleições municipais de 2008; e o eficiente trabalho de desconstrução do governo de Aécio em Minas e de sua imagem pessoal feita pela campanha da presidente Dilma Rousseff.

Pimenta da Veiga foi uma escolha pessoal de Aécio por dois objetivos principais. O primeiro era que o PSDB tivesse um candidato com currículo parecido, com passagens pela prefeitura de Belo Horizonte e pelo governo federal, com o de Fernando Pimentel, ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, para que pudesse enfrentá-lo à altura. Sem nenhum outro nome entre seus aliados do PSDB mineiro, Aécio resolveu trazer de volta à política Pimenta, afastado da vida pública há 12 anos. O segundo objetivo  era apaziguar uma disputa  interna no PSDB mineiro, entre os grupos de um de seus mais antigos conselheiros, o secretário de Governo, Danilo de Castro, e o presidente do diretório estadual, o deputado federal Marcus Pestana. A estratégia não deu certo.

Pimenta não cresceu na campanha para o governo do Estado – e isso acabou atravancando também  Aécio em Minas. A cúpula tucana avalia que a campanha de Pimenta cometeu uma série de equívocos.  Um deles foi a veiculação de uma mesma inserção de rádio por vinte dias consecutivos. Outro grave erro é que a  campanha também demorou a vincular Pimenta aos 12 anos de governos bem-avaliados do PSDB no estado.

O trabalho do marqueteiro Cacá Moreno provocou grande insatisfação entre os caciques tucanos. Em determinado momento, Andrea Neves, irmã de Aécio e uma das principais colaboradoras da comunicação de sua campanha presidencial, voltou para o estado com o objetivo de tentar reverter o cenário.  Não conseguiu.

Em contrapartida, os acertos do PT mineiro foram muitos. A começar pela escolha de Pimentel, que, antes da campanha, já  aparecia bem  nas pesquisas de intenção de voto há pelo menos um ano. Antes de ir para o governo Dilma, Pimentel deixara a prefeitura de Belo Horizonte com excelente aprovação. Ele chegou a ser eleito, pelo site inglês Worldmayor, o oitavo melhor prefeito do mundo.

A pacificação do PT mineiro, rachado desde a disputa interna entre os grupos do ex-ministro Patrus Ananias e Pimentel em 2008, quando o PT apoiou Márcio Lacerda (PSB), ex-secretário estadual de Aécio, para a prefeitura de Belo Horizonte,  também foi fundamental. Enquanto o PSDB não  encontrou um nome natural para suceder Aécio e Anastasia, o PT já tinha o homem ideal para enfrentar os tucanos há mais de dois anos. Além disso, o PT soube trabalhar a candidatura de Pimentel, aproveitando-se das fragilidades da adversário e do fato de que Aécio não pode se concentrar tanto em Minas nessa eleição como de costume.

Os ataques pessoais a Aécio feitos pelo PT no segundo turno também ajudaram a barrar seu crescimento no Estado. No início do segundo turno, Aécio ameaçou deslanchar em Minas. Mas as pesada críticas ao seu governo, as dúvidas levantadas sobre os investimentos  na área de saúde e as  acusações de nepotismo feitas pela candidata Dilma Rousseff o detiveram. A estratégia petista deu certo. Dilma conseguiu bater Aécio justamente no único colégio eleitoral em que ele nunca, nos últimos quatro anos, imaginou que poderia perder as eleições.

Cenas dos Próximos Capítulos

Pimentel assume um estado debilitado. A transição de governo já começou e os técnicos do novo governo estão assustados com o nível das contas públicas. Caso o PSDB decida lançar Aécio Neves nas próximas eleições terá que contar com um governo Pimentel aquém das expectativas. Se o PT conseguir arrumar a casa aqui em Minas então Aécio perderá novamente. Aécio tem, desde já, dois adversários: Pimentel aqui em Minas e Lula “o retorno” no resto do Brasil.

Fonte 1
Fonte 2
Fonte 3
Continue lendo

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Tags: ,

Primeira Operação Pós Eleições

Ufa,
Que dia!

Confesso que estava torcendo e esperando por um IBOV mais sanguinolento nesta segunda, mas os grandes tubarões não são bobos, já adiantando um possível vitória de Dilma, provavelmente ficaram líquidos na sexta e entraram comprando pesado hoje. O que se viu foi fechamento de gap pra todo lado.

Na sexta passada fiquei em um grande dilema, esta comprado em EMBR3 e por um momento cogitei continuar comprado no fim de semana já prevendo a vitória de Dilma. Visualizava uma grande alta deste ativo na segunda pois, de todos os quatro do kit Dólar, era o único que não tinha decolado ainda.

Logo na abertura do pregão minha previsão se concretizou conforme mostra o gráfico intra-day abaixo. O ativo simplesmente explodiu. Fiquei realmente frustrado por não ter dormido com o papel no fim de semana. Mas não me dei por derrotado e mantive o gráfico aberto no HB para monitorar o recuo (sempre ocorre).


E na mesma rapidez que o preço subiu, minutos depois o preço caiu, vertiginosamente. Executei então minha primeira compra em 22,88. Estava operando pela corretora MyCap e lancei a ordem com todo capital disponível. Já prevendo mais queda, utilizei a conta margem da corretora e lancei segunda ordem em 22,66 que foi logo executada. À partir deste momento defini o ponto de saída da operação alavancada, custumo definir um alvo de 3% no intra-day e desta forma lancei a ordem de venda em 23,32.

Ainda não me dando por sarisfeito, continuei observando o papel pois o volume estava monstro. Como tinha desmontado meu trade de CMIG4 na sexta feira (com um bom prejuízo) então ainda restava um capital livre na corretora Rico. Lancei então uma ordem de compra em 22,33. Foi então que uma ordem de venda  monstro varreu o HB lambendo minha compra e jogando o preço em 21,75 - Medo!. Mas 15 minutos depois o preço já batia 22,89 e todas as três compras já estavam positivas novamente.

Passei a tarde fora em reunião empresarial de certa forma tranquilo pois aceditava na força do papel. Abrindo o HB agora a noite constatei que a operação alavancada evoluiu bem sendo fechada automaticamente no meio da tarde como pode ser observado na seta azul do gráfico anterior.

Durmo então com uma boa posição no papel mas sem alavacagem o que me dá certa tranquilidade e alguns indicadores como volume e MACD histograma corroboram a força do papel como pode ser visto em destaque amarelo no gráfico abaixo.


Amanhã estarei viajando a trabalho e não abrirei HB, isto de certa forma é bom pois tenho estado um tanto quanto afoito estes dias. Semana passada por duas vezes fechei operações antes do planejado, é o emocional falando mais alto.

E pra fechar a segunda feira com chave de ouro só o São Paulo perdendo a partida desta rodada para que o Galo continue vice-lider, rs

Boa semana a todos!
Continue lendo
Tags: , ,

Radar de Mercado

Continue lendo
Tags: , ,

Circuit Breaker na Bolsa Após as Eleições!!!

Ontem chutei neste post que a bolsa abriria com gap de -8%, acho que não vou errar. A pergunta agora é se teremos circuit breaker.


Continue lendo

domingo, 26 de outubro de 2014

Tags:

"Is this real life?"

Hoje pela manhã fui abastecer meu carro em um posto Ipiranga aqui em BH e o preço da gasolina estava em 2.69 reais. Parei para pensar que meses atrás o preço era 2.74, e já chegou a 2.80 certa vez mas ficou pouco tempo neste patamar. Então me pergunto, "Is this real life?"

Acredito que o cidadão comum que abastece seu automóvel semanalmente e que não não é investidor da Petro está de certa forma satisfeito com o governo atual, e deve ter votado de bom grado na Dilma. Por outro lado, o comprador das famigeradas PETR4 está de luto neste momento. São as duas faces da mesma moeda.

O país está dividido, e o resultado da eleição presidencial deixa isto claro. Torço de coração para que Dilma coloque em prática tudo que prometeu em capanha. Ela já sai na frente pois já está sentada na cadeira, Aécio teria a desvantagem da transição, levaria pelo menos 1 ano para começar colocar em prática os projetos.

Precisamos também fazer a nossa parte, pelo menos fiscalizar os políticos que ajudamos a eleger. Isto é o mínimo que podemos fazer enquanto cidadãos, os portais de transparência foram criados com este objetivo, e são um bom ponto de partida para fircamos de olhos atentos.

No mais, para mim enquanto investidor-especulador, a noite será longa. Não vejo a hora do pregão abrir amanhã. Vou chutar um gap de pelo menos -8%, se for pior do que isto então será melhor, chega de  mimimi e vamos às compras, temos pelo menos mais 4 anos de promoções.

Continue lendo

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Tags: , , , ,

IBOPE, DataFolha, IBOV, Dólar, Dilma, Aécio e Outros Assuntos...

Mercados seguem nervosos nesta tarde de quinta, penúltimo dia de pregão antes das eleições 2014. Já especula-se que o empate técnio entre Dilma e Aécio não existe mais. O vazamento de que a pesquisa do IBOPE a ser divulgada na noite de hoje mostrará vantagem de Dilma fez com que as ações do Kit-Dólar disparassem nesta tarde, infelizmente já tinha fechado minha operação em SUZB5. Não duvido que insiders já tinham esta informação desde ontem pois o volume de negócios no papel estava muito superior à média na tarde de ontem.

No gráfico do IBOV abaixo podemos verificar o estrago causado pelo DataFolha na terça-feira e hoje o estrago causado por este boato do IBOPE.


Por outro lado a Fibria, mesmo tendo apresentado péssimo resultado de trimestre no dia de ontem, disparou hoje impulsionada pela subida do Dólar.


O mercado está altamente especulativo e acredito que está precificando uma possível vitória de Dilma. Por outro lado, caso Aécio ganhe - que é mais improvável neste momento - teremos fortes emoções no pregão de segunda.
Continue lendo
Tags: ,

Última Operação Antes do Novo Presidente

Mercados com nervos à flor da pele, IBOV sangrento, Dólar se segurando na crista da onda...

Encerrada hoje operação Kit-Dólar com SUZB5 conforme planejado. Aproveitei para usar o dinheiro livre para comprar 1K de ABEV3 a 15,21. Lancei ainda ordem de compra 1,4K usando a conta margem para no preço de 15,06 caso o papel busque este fundo. Esta é minha última operação antes de sabermos qual será o novo presidente. Haja coração.

Continue lendo

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Tags: ,

Kit Dólar para Hoje



Pesquisas apontando virada de Dilma e futuro abrindo com 4,5% de queda, hoje teremos mais um dia vermelho no IBOV e a pedida, como sempre, é o Kit Dólar: BRKM5, EMBR3, FIBR3 e SUZB5.

Ontem fechei minha operação contra-tendência em ETER3 em um valor abaixo do planejado. Os alvos iniciais eram 3,88 ou 3,98 mas o papel apresentou fraquesa e resolvi vender em 3,78.

Portanto, dinheiro livre na corretora e todas as atenções voltadas para a abertura do mercado daqui a pouco, abaixo o gráfico da SUZB5, possível compra de hoje.

Continue lendo

sábado, 18 de outubro de 2014

Tags:

Troféu Investidor Matuto 2014 - 3a. Parcial

Olá colegas!

Esta é a terceira e última parcial do Troféu Investidor Matuto 2014. Após apuração das rentabilidades anuais dos pequenos investidores da blogosfera em setembro, segundo o sistema AdP de cotas, o placar atual é o seguinte:



Continue lendo

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Tags: ,

Operação Contra-Tendência em ETER3

Na tarde de hoje verifiquei um movimento de queda brusca em ETER3 que me chamou atenção para uma possível operação contra-tendência. Decidi lançar uma ordem de compra de 4.100 papéis ao preço de 3,61 já que havia um ordem de compra pesada em 3,60 no book de ofertas que corroborava para a formação de um fundo no intra-day. A estratégia por hora está correndo bem pois o preço não conseguiu furar o fundo formado. Ao abrir o gráfico agora no fim do dia tive uma grata surpresa ao ver o preço de fechamento de 3,85. Irei fixar um target de venda na próxima segunda em 3,89 ou 3,98.


Alguém sabe o que levou o preço do papel a esta queda forte no dia de hoje?

Bom fim de semana a todos!
Continue lendo

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Tags: , , ,

Aos Corinthianos: Rir é o Melhor Remédio

Ontem tivemos aqui em Belo Horizonte uma noite agitada e repleta de fogos, buzinaço e gritaria. Enquanto torcedor do Clube Atlético Mineiro, não presenciava noite assim desde o sofrido título da libertadores no ano passado. De lá para cá o que se viu foram duas noites com igual nível de decibéis, mas protagonizadas pelos nossos arquirrivais cruzeirenses quando foram campeões do brasileirão do ano passado e quando fomos eliminados no mundial do Marrocos. E a noite de ontem só não foi completa pois o Cruzeiro, mesmo perdendo para o ABC de virada, conseguiu passar à próxima etapa da Copa do Brasil.



Confesso que ao levarmos o primeiro gol, logo no início da partida, já dava por certa a nossa eliminação. Mas o que seviu após este momento, foi a mais contundente virada de um time nos últimos tempos, heróica digamos. Enquanto o Corinthians dava uma aula de como não se portar em campo perante um adversário cujo objetivo era vencer ou vencer, o Galo buscava forças para reverter a enorme vantagem de três gols do oponente. E conseguiu, de forma surpreendente, reverter a vantagem. Aos colegas corinthianos, com todo respeito, o que resta é rir com esta onda de memes que assolam o país.












 
O bom humor é contagiante. O som de gargalhadas é muito mais contagioso do que qualquer tosse, fungada ou espirro. Quando o riso é compartilhado, une as pessoas e aumenta a felicidade e a intimidade. O riso também desencadeia mudanças físicas saudáveis ​​no organismo. O humor e o riso fortalecem seu sistema imunológico, aumentam sua energia, diminuem a dor e protegem você contra os efeitos nocivos do estresse. Melhor que tudo, esse medicamento que não tem preço é divertido, livre e fácil de usar

O riso é um grande estimulador, suficiente para mandar uma ordem para o seu cérebro, a nível do hipotálamo, e sintetizar as endorfinas, mais precisamente as betas endorfinas, que são substâncias analgésicas similares as morfinas, mas com potência analgésica cem vezes maior. Estas substâncias são produzidas nas situações de riso, gargalhadas, alegria ou em toda a situação que te dá um certo bom humor.

Quanto mais gostosa a gargalhada ou mais efusiva a risada, maior será a síntese de produção de endorfinas, que podem ser chamadas inclusive de hormônios da felicidade. Não havendo assim uma escala para cada uma destas situações. Porque você pode ter uma gargalhada ou sorriso com uma intensidade maior ou menor. O que conta é qualidade desta gargalhada, desta risada ou deste sorriso. Isto vai ser sentido na sensação de bem estar, quanto maior for, maior será a síntese de betas endorfinas.

Ao rir você vai ter uma proteção cardiovascular, uma proteção vascular contra anginas, contra infartos, contra derrames e doenças vasculares. Não só a nível cardíaco como a nível cerebral. Porque o riso permite um relaxamento que ajuda a normalizar a respiração arterial. Se as pessoas tivessem o hábito de rir várias vezes ao dia, estariam amenizando a descarga de adrenalina no organismo e permitindo uma descarga de endorfinas. 

Saudações alvinegras!

Fonte
Continue lendo

sábado, 11 de outubro de 2014

Tags:

200 mil Acessos

Olá Pessoal!

O blog ultrapassou nesta semana a marca de 200.000 acessos. Para comemorar este feito estou inaugurando um novo layout. Como prezo pela experiência de usabilidade do leitor estou aberto a melhorias na navegação. Conto com a colaboração de todos.


Bom fim de semana!
Continue lendo

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Tags: , ,

Setor Siderúrgico: Comprar, Manter ou Vender?

No dia de hoje a cotação das ações ordinárias da Metalúrgica Gerdau atingiram o fundo da crise de 2008 como pode ser visto no gráfico abaixo. Assim como no setor de mineração, estamos verificando no setor siderúrgico uma contundente retração nos preços dos produtos (aço e minério) o que reflete diretamente no preço das ações das companhias.


Singapura - Os contratos futuros do vergalhão de aço na bolsa de Xangai caíram para uma mínima recorde na última quarta-feira, com o sentimento no mercado de aço ainda negativo após um feriado de uma semana na China, colocando pressão na recuperação dos preços do minério de ferro.

A letargia do setor imobiliário da China, em uma economia que desacelera, reduziu a demanda por aço no maior consumidor mundial, diminuindo o consumo doméstico este ano.

O crescimento do setor de serviços da China enfraqueceu levemente em setembro diante do menor número de novos pedidos, mostraram dados de uma pesquisa privada nesta quarta-feira, reforçando sinais de desaceleração na segunda maior economia do mundo.

O contrato de vergalhão mais negociado na bolsa de Xangai, com entrega em janeiro fechou com queda de 1,3 por cento, a 2.513 iuanes (409 dólares) por tonelada, depois de tocar a mínima de 2.507 iuanes mais cedo na sessão. A cotação foi a menor para o contrato mais ativo desde que a bolsa lançou o produto em 2009.

No mercado à vista de minério de ferro na China também houve queda nesta quarta-feira, após uma recuperação durante o feriado do Dia Nacional, entre 1 e 7 de outubro, quando operadores estrangeiros apostaram em uma onda de compras para recomposição de estoques pela siderúrgicas chinesas, quando elas retomassem as atividades.

O minério com 62 por cento de teor de ferro caiu 0,25 por cento nesta quarta, para 79,80 dólares por tonelada, após atingir 80 dólares na terça, maior cotação desde 19 de setembro, segundo dados do Steel Index.

Houve uma enxurrada de negócios na plataforma globalORE, de Cingapura, na última semana, com carregamentos da Austrália sendo vendidos a preços maiores, ajudando o índice de referência a recuperar-se da mínima de cinco anos, de 77,50 dólares por tonelada, registrada em 30 de setembro.

Fonte: Exame

Brasília - Depois de uma melhora em julho, o nível de utilização da capacidade instalada da indústria de transformação do país atingiu 80,5% em agosto, abaixo do indicador de julho, de 81%, informou ontem a Confederação Nacional da Indústria (CNI). Em agosto de 2013, a utilização do parque fabril era de 82,3%. Os dados estão dessazonalizados.

As horas trabalhadas também registraram queda, de 0,8% em agosto ante julho, e de 5,7% na comparação com o mesmo mês de 2013. De janeiro a agosto, o indicador apontou uma queda de 2,7% em relação ao mesmo período do ano passado.

A CNI também registrou uma piora de 0,8% no nível de emprego do setor industrial em agosto ante julho. Em relação a agosto de 2013, houve um recuo de 1,7%. No entanto, entre janeiro e agosto deste ano, comparado a igual período de 2013, o nível de emprego cresce 0,3%.

O faturamento do setor de transformação apresentou uma alta 1,1% em agosto ante julho, mas registrou um recuo de 8,8% na comparação com agosto do ano passado. Nos primeiros oito meses do ano houve redução de 2,7% no faturamento das empresas. A massa salarial, por sua vez, subiu 0,3% em agosto na comparação com julho e 0,5% em relação ao mesmo mês de 2013. No acumulado do ano, houve um crescimento de 3%.

Ritmo - Em agosto, a indústria operou com ritmo abaixo do registrado em julho, quando a atividade havia crescido e interrompido uma série de quatro meses de retração. A queda da atividade foi percebida nas horas trabalhadas na produção e na utilização da capacidade instalada, conforme os indicadores industriais de agosto. A indústria operou em agosto 1,8 ponto percentual abaixo do nível de agosto do ano passado. Comparando a média de janeiro a agosto com o mesmo período de 2013, há uma queda na capacidade instalada de 1,5 ponto percentual.

Como resposta à atividade fraca, avaliou a CNI, as empresas continuam a demitir. O indicador de emprego teve em agosto a sexta queda consecutiva em relação ao mês anterior. A Confederação destacou que, embora o faturamento tenha crescido 1,1% em agosto ante julho, na comparação com agosto de 2013 sofreu uma forte queda, de 8,8%. "Ou seja, as altas de agosto e julho não foram suficientes para recolocar o indicador no patamar em que se encontrava há um ano", disse a CNI no documento Indicadores Industriais.

Fonte: Aço Brasil
Continue lendo

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Tags:

Chove Chuva

Parecem a mesma empresa, só que não, uma eu tenho, a outra não, dou um doce para quem acertar...



Continue lendo

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Tags: , , ,

A CEMIG e o Pimentel: Cai no Boato, Sobe no Fato!

O que mais ouço por aí, principalmente vindo dos investidores bastterianos, são duas máximas:

1 - Não compre (nem venda) notícias
2 - Cotação não importa e sim os balanços

Bom, para não começar a velha ladainha novamente em mais um post sobre este velho tema, vou apenas dizer que considero as duas afirmações válidas. Porém, considero também que toda unanimidade é burra e o oposto das afirmações também é válido. Temos aí uma dicotomia saudável, e só não tira proveito dela quem não quer.

Indo ao tema central do post, vou apresentar aos leitores um gráfico atualizado da nossa querida CEMIG (ações PN):


Lendo os últimos posts dos colegas de blogosfera, percebi um movimento curioso, porém já conhecido: o famoso efeito manada. Até então a CEMIG era uma das queridinhas dos colegas, e contrariando totalmente o princípio 1 (não compre nem venda notícias), o que presenciei foi um monte de gente passando a foice nos papéis, provavelmente influenciados negativamente pelos boatos que surgiram em torno deste artigo aqui.

O medo foi instaurado no mercado, e a galera foi às vendas, a empresa "que era boa ficou ruim" pois o candidato que estava na frente nas pesquisas planejava, se eleito, diminuir as tarifas - mas que bom, torço por isto, mesmo porque chega na minha casa todo mês uma boleta da CEMIG.

Então o candidato foi eleito em primeiro turno mas, por ironia do destino, as ações não mais cairam, pelo contrário, o "trem", como se diz aqui em Minas, disparou.

Não vou tirar nenhuma conclusão preciptada, o mercado é temperamental e amanhã a tendência de queda pode continuar. Os preços podem estar simplesmente pegando carona no efeito Aécio, vai saber.

Agora vamos discutir a afirmação 2 (cotação não importa e sim os balanços). Faço então uma pergunta aos colegas que venderam os papéis: os fundamentos da empresa pioraram nos últimos balanços?

Faço outra pergunta, mais polêmica: analisando o gráfico abaixo, a boataria foi benéfica para o investidor que gosta de comprar "barato"?


Não vou responder, quero ouvir de vocês. Termino o post com este excelente documentário sobre o Pearl Jam. Abraço a todos!

Continue lendo

sábado, 4 de outubro de 2014

Tags: ,

IBOV Deflacionado e Covariância IBOV x Dólar

IBOV Deflacionado

Através da contribuição do leitor Gustavo cheguei a um interessante artigo elaborado Jonas Faga Jr. e apresentado neste endereço. Abaixo vemos o IBOV tal qual nos é apresentado em termos de pontos (IBOV nominal):


Neste gráfico o autor assinalou os principais eventos macros mundiais para pontuar as principais reversões:

1 – Primeiro fundo após a estabilização do Plano Real – (1995)
2 – Topo atingido no auge da bolha dos mercados emergentes – (1997)
3 – Fundo atingido após o estouro da crise asiática, russa e brasileira – (1999)
4 – Topo atingido no auge da bolha das pontocom – (2000)
5 – Fundo atingido imediatamente após os ataques ao WTC – (2001)
6 – Fundo atingido em meio ao pessimismo pós WTC e pré guerra contra o terrorismo – (2002)
7 – Topo atingido no auge da bolha imobiliária e de crédito nos EUA – (2008)
8 – Fundo atingido após o crash da bolha de crédito nos EUA – (2008)
9 – Topo atingido após a injeção de maciços estímulos pós 2008 – (em 2010)

A intenção do autor foi apresentar o IBOV deflacionado pelo valor do grama de ouro na BM&F, contrato de 250 gramas (OZ1D). Aplicando este fator deflacionário, o histórico canal de alta do IBOV transforma-se em uma longa congestão:


Covariância IBOV x Dólar

O autor apresenta ainda, em outro post, um artigo onde o mesmo mostra a covariância Dólar x IBOV que pode ser ilustrada através do grafico abaixo:


Neste post o autor procurou apresentar um método teórico de alocação de ativos a partir de duas perspectivas complementares: ações (IBOV) e fundos cambiais (Dólar). Basicamente o autor define uma alocação inicial de equilíbrio onde os ativos estão alocados meio a meio. Na medida que desvios são percebidos na carteira, os mesmos são corrigidos através da realocação entre ações e fundos cambiais.

Encontrei outros posts interessantes no site do Jona como este sobre alocação de ativos e este outro sobre análise técnica. Vale a pena dar uma lida.

Bom fim de semana a todos!
Continue lendo

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Tags: ,

E agora, José


E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama protesta,
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,

seu terno de vidro, sua incoerência,
seu ódio - e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse…
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, pra onde?


Drummond
Continue lendo

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Tags: , ,

Eleições 2014: Pesquisa DataFolha

Neste país é muito difícil acreditar em qualquer instituto de pesquisa de opinião (incluo aí também o instituto de estatística IBGE). Mas digamos que o DataFolha é o "menos vendido" de todos e merece um certo crédito.

Nesta reta final, o candidato Aécio Neves retornou ao patamar que estava em 15 de agosto, tem subido a passos lentos o que indica serem indecisos se pocisionando. A candidata Marina tem perdido pontos preciosos, provavelmente são eleitores migrando para o Aécio ou para a Dilma depois de passada a comoção com a morte do Campos. Muitos já estão percebendo que não existe "política nova" neste país, aliás, não vejo nada de novo nesta campanha em relação à última de 2010.


Quando olhamos a distribuição por região, nos deparamos com uma baixa intenção de votos para Marina na região Norte. Isto é no mínimo curioso. No Sudeste, os candidatos estão tecnicamente empatados mas no Nordeste Dilma ganha com larga vantagem.


Na distribuição por renda, como não podia ser diferente, Dilma ganha em disparado na parcela da população com renda até dois salários mínimos. Entre 5 e 10 salários mínimos os candidatos estão tecnicamente empatados. E na parcela da população acima de 10 salários o candidato Aécio está na frente com vantagem o que não é surpresa para ninguém.

Nas simulações de segundo turno, Dilma ganha dos dois principais opositores teoricamente com a mesma vantagem. Marina vem perdendo fôlego nos últimos dias e parece não ser mais o bicho papão da Dilma no segundo turno. Tudo indica que a campanha de Aécio e Dilma para desmascarar a nova política de Marina tem funcionado.



E após a divulgação desta pesquisa provavelmente o mercado estará depressivo neste primeiro dia do mês. Isto é muito bom pois na semana que vem os contratos de LCI que firmei dois meses atrás estão vencendo e terei dinheiro livre para possíveis aportes, que se concretize então novas quedas. Estou de olho...


Na cor clara estão as empresas para a carteira de dividendos e na cor escura as empresas para a carteira de crescimento. Não incluí ABEV3 e CIEL3 na lista de monitoramento pois são empresas que tenho comprado religiosamente, todo mês, independente de preço e cenário econômico.

Bom início de mês a todos!
Continue lendo