sábado, 20 de janeiro de 2018

Ranking dos Blogs de Finanças 2018


A primeira edição do ranking dos blogs de finanças de 2018 trás algumas novidades nas 10 primeiras posições. O blog Viagem Lenta subiu 8 posições e agora ocupa a posição 4. O blog Viver de Construção subiu 3 posições e agora ocupa a posição 7. Por outro lado, os blogs Viver de Dividendos, Pobre Poupador e Viver de Renda perderam posições. Já meus blogs mantiveram as mesmas posições em relação ao ranking do ano passado. Os colegas Investidor de Risco, Buscando Primeiro Milhão e Senhor Bufunfa também conquistaram importantes posições no ranking. Contudo os colegas que mais ganharam posições foram o Investidor Troll e o Geração 65.



Neste ranking contemplei apenas os participantes da comunidade Finansfera. O ranking dos outros blogs de investimento que não fazem parte desta rede você pode conferir aqui.

domingo, 14 de janeiro de 2018

Aos Meus Leitores Covardes...


O título é forte, talvez devesse medir as palavras para não magoar as pessoas, mas a covardia é algo que precisa ser combatida, principalmente aquela que se faz por trás do anonimato da internet.

covarde

Algo quase estragou o meu fim de semana. Mas quem se propõe a ser blogueiro precisa lidar de forma ponderada e sensata com certos feed-backs negativos. Críticas são sempre bem vindas, aliás, são as críticas que melhoram as pessoas que as recebem, mas há dois tipos de críticas: as construtivas e as destrutivas. As construtivas são aquelas capazes de mudar as pessoas e o mundo. Já as destrutivas, além de não promoverem nenhuma mudança para melhor, são capazes de destruir. No meu último post recebi os seguintes comentários:

pessoas covardes

Leia você, para mim são críticas destrutivas, não vi positividade nestes comentários. E o que me deixa mais chateado: todos comentários anônimos. Aqui vejo a covardia das pessoas que fazem comentários jocosos, mentirosos, destrutivos e não são capazes sequer de assinar. Se escondem atrás das paredes do anonimato pois não tem coragem suficiente para dizer quem são quando estão atacando.

Contudo, sempre procuro ver a parte cheia do copo e não só a vazia. Sou observador do comportamernto humano, principalmente nas redes sociais que é o meio onde estou mais presente. E desta forma tenho plena ciência que provoquei certo descontentamento nestes leitores. Imagino que tenha ocorrido uma interpretação errada por parte deles, mas nada que justificasse tamanha agressividade. Principalmente direcionada a mim.

Não quero me vitimizar neste post, é só um texto de esclarecimento, mas não vejo como justo tais agressões já que sou um dos principais agregadores desta comunidade de blogueiros, e com frequência estou divulgando artigos dos colegas nas minhas fã-pages e grupos de Facebook, Twitter e também nos meus três sites.

Ao anônimo que diz se tratar de um post para ganhar atenção e faturar com Ad Sense, sinto informar que este blog aqui não gera receita, os outros sim mas este não, então qualquer coisa que posto aqui não é para gerar receita. Outra coisa, ganho atenção de outras formas, mais eficientes e justas, ganho atenção gerando conteúdo de qualidade.

Ao anônimo que disse que criei dois sites para faturar com conteúdo repetido e faturar mais com Ad Sense, sinto informar que não houve repetição de conteúdo, pelo contrário, o conteúdo está todo no outro site, o que coloquei aqui foi apenas dois parágrafos que serviram de chamada para o conteúdo principal. Me pergunto, que mal há em divulgar um conteúdo que é meu mesmo? Aliás, só o fiz pois imaginei que agregaria conhecimento para alguns leitores, como de fato ocorreu:

covardia

Ao leitor que disse "que BOSTA". Veja acima um exemplo de comentário polido e respeitoso da colega blogueira Rosana. Não precisa concordar ou gostar com o conteúdo do site, mas dizer palavras de baixo calão irá acrescentar o quê? Por que agir de forma tão agressiva e desrespeitosa com pessoas desta forma?

Finalmente, ao colega que disse que estou vendendo estratégias de empreendedores de palco, sinto dizer que minha estratégia é muito simples, mais uma vez: entregar conteúdo de qualidade. E é com esta estratégia que faturo hoje 5 mil reais mensais com meus sites, mas talvez seja isto que vem incomodando as pessoas. Desde que passei a divulgar meus números de faturamento comecei a receber críticas negativas. Aqui no Brasil funciona assim, o sucesso alheio não é bem visto, o sucesso alheio não inspira, o sucesso só atrai mal-olhado. E é por isto que daqui em diante não publicarei mais meus resultados financeiros, acho que terei mais tranquilidade de vida.

Para esclarecer a questão e colocar um ponto final neste assunto, informo que em janeiro do ano passado realizei uma coleta de dados de dividendos, JSCP, bonificações, agrupamentos e desdobramentos de todas as quatrocentas e tantas ações listadas na bolsa. Foi uma coleta manual realizada no site Guiainvest. De posse desta planilha gerei dois posts, um relacionado às bonificações de ações e outro relacionado aos dividendos. O post de bonificação eu publiquei no site Abacus Liquid. Como é um artigo de qualidade e que agrega valor ao leitor o Google o posicionou como top-1 nas pesquisas como pode ser visto na figura abaixo:

bonificação de ações em 2018

Já o artigo de dividendos eu publiquei no site Web Informado. É também um bom artigo e o Google o posicionou em top-4 nas pesquisas como pode ser visto na figura abaixo:


Acontece que recentemente realizei nova coleta de dados das quatrocentas ações. Estou enfatizando o "quatrocentas" para entendenrem que é algo que custa tempo. Se for considerar o tempo de coleta mais o tempo de revisão dos post devo ter gastado umas 8 horas. Tem ideia de quanto valem 8 horas da minha vida? São 8 horas que gastei com vocês leitores. Isto tem um valor. Aí vem um camarada que sequer se identifica dizer que estou querendo faturar com Ad Sense gerando post repetido?! Quem paga meu esforço? E onde está a repetição?

Enfim, foi um episódio desagradável mas que me fez refletir. Para evitar estas confusões por parte dos leitores não irei mais fazer chamadas aqui no blog para os outros sites. Quem quiser que procure no Google, fatalmente irá se deparar com um artigo meu. Estou escrevendo de forma convencida mesmo, sou bom nisto pois me esforço, tento fazer o meu melhor, e acho que foi isto mesmo que desapontou estes leitores, ao se depararem com dois parágrafos ficaram sem entender onde eu queria chegar. Mas por favor, tomem cuidado com o que comentam, posso ficar mais puto e mandar metralhar todo mundo, rs.

Obs.: não irei revisar o post, trata-se de um texto escrito de uma tacada só, irão encontrar vários erros de português pois costumo errar muito quando escrevo, mas este assunto já me tomou tempo demais do meu fim de semana.

Abraço d'Uó!

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Maiores Pagadoras de Dividendos de 2017 e Promessas para 2018


Segundo analistas de mercado, 2018 tem uma ótima perspectiva de lucro para quem investe em ações de empresas que costumam remunerar bem seus acionistas. As empresas pagadoras de dividendos devem ter um aumento de 15% no pagamento de dividendos em relação a 2017. A razão para isso é que, na segunda metade de 2017, houve uma melhora nos resultados das empresas, consequência da redução da taxa de juros, da recuperação (ainda que tímida) da economia e do aumento de algumas commodities importantes, como o minério de ferro.

A projeção leva em conta o crescimento de 40% dos dividendos em 2017 (que devem ser pagos até o mês de março), depois de uma queda forte em 2015, que foi de 20%, e de uma também em 2016, de 2%. Porém, ter tido bom desempenho não significa, necessariamente, que as empresas vão reverter esse lucro para os acionistas. Essa decisão vai ser pautada na necessidade de reinvestimento de lucro em novos projetos da empresa. Portanto, não existe uma linearidade na relação lucro e dividendo. Para as empresas em expansão, a regra tende a ser investir mais nelas mesmas e não em distribuição de dividendos. De qualquer forma listamos as empresas que mais pagaram dividendos em 2017 e as ações mais promissoras para 2018. O artigo se encontra no site Web Informado (link na figura abaixo).

maiores pagadoras de dividendos 2017 2018

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

De Porteiro de Puteiro a Empresário de Sucesso: A História do Criador da Tramontina


Embrenhado nos cafundós do Judas, num lugar de difícil aceso e  retirado a dois dias de mula do centro comercial mais próximo, existia um pequeno povoado, de moradores muito humildes, lugar esquecido e de pouco interesse dos políticos, cuja única fama, que mais o denegria do que o exaltava, era a existência de um puteiro que recebia homens de toda a região.

Foi neste ambiente caboclo que nasceu Valentin, um gauchinho filho de mãe solteira, que logo após o nascimento a mãe veio a falecer. O rebento foi adotado por compaixão pelas prostitutas colegas de labuta da mãe falecida. O menino cresceu e, criado neste fim de mundo em ambiente tão adverso, não recebeu das mães de criação a possibilidade de frequentar uma escola. Assim, não aprendeu a ler nem escrever e já rapaz não aprendeu outra atividade ou profissão senão servir de guarda na portaria da pequena casa de diversão.

Um dia, entrou como novo gerente do puteiro um sujeito cheio de ideias, e assim decidiu modernizar o estabelecimento. Planejou as mudanças e chamou os funcionários e funcionárias para passar as novas instruções. Ao porteiro disse:

– A partir de hoje, o senhor, além de ficar na portaria, vai preparar um relatório semanal onde registrará a quantidade de clientes e seus comentários e reclamações sobre nossos serviços.
– Eu adoraria fazer isso, senhor. Mas eu não sei ler nem escrever!
– Ah! Quanto eu sinto! Mas se é assim, já não poderá seguir trabalhando aqui.
– Mas senhor, não pode me despedir, eu trabalhei aqui a minha vida inteira, não sei fazer outra coisa.
– Olhe, eu compreendo, mas não posso fazer nada pelo senhor. Vamos dar-lhe uma boa indenização e espero que encontre algo que fazer. Eu sinto muito e que tenha sorte.

Sem mais nem menos, deu meia volta e foi embora. O porteiro sentiu como se o mundo desmoronasse. Que fazer? Lembrou que no prostíbulo, quando quebrava alguma cadeira ou mesa, ele a consertava, com cuidado e zelo. Pensou que esta poderia ser uma boa ocupação até conseguir um emprego. Mas só contava com alguns pregos enferrujados e um alicate mal conservado. Usaria o dinheiro da indenização para comprar uma caixa de ferramentas completa.


Como o povoado não tinha casa de ferragens, deveria viajar dois dias em uma mula para ir ao povoado mais próximo para realizar a compra. E assim o fez. No seu regresso, um vizinho bateu à sua porta:

– Venho perguntar se você tem um martelo para me emprestar.
– Sim, acabo de comprá-lo, mas eu preciso dele para trabalhar … já que..
– Bom, mas eu o devolverei amanhã bem cedo.
– Se é assim, está bom.

Na manhã seguinte, como havia prometido, o vizinho bateu à porta e disse:

– Olha, eu ainda preciso do martelo. Porque você não o vende para mim?
– Não, eu preciso dele para trabalhar e além do mais, a casa de ferragens mais próxima está a dois dias de viagem sobre a mula.
– Façamos um trato – disse o vizinho.

Eu pagarei os dias de ida e volta mais o preço do martelo, já que você está sem trabalho no momento. Que lhe parece?

Realmente, isto lhe daria trabalho por mais dois dias…. aceitou.Voltou a montar na sua mula e viajou.
No seu regresso, outro vizinho o esperava na porta de sua casa.

– Olá, vizinho. Você vendeu um martelo a nosso amigo.

Eu necessito de algumas ferramentas, estou disposto a pagar-lhe seus dias de viagem, mais um pequeno lucro para que você as compre para mim, pois não disponho de tempo para viajar para fazer compras.Que lhe parece?

O ex-porteiro abriu sua caixa de ferramentas e seu vizinho escolheu um alicate, uma chave de fenda, um martelo e uma talhadeira. Pagou e foi embora. E nosso amigo guardou as palavras que escutara: ‘não disponho de tempo para viajar para fazer compras’.

Se isto fosse certo, muita gente poderia necessitar que ele viajasse para trazer as ferramentas. Na viagem seguinte, arriscou um pouco mais de dinheiro trazendo mais ferramentas do que as que havia vendido. De fato, poderia economizar algum tempo em viagens. A notícia começou a se espalhar pelo povoado e muitos, querendo economizar a viagem, faziam encomendas.

Agora, como vendedor de ferramentas, uma vez por semana viajava e trazia o que precisavam seus clientes. Com o tempo, alugou um galpão para estocar as ferramentas e alguns meses depois, comprou uma vitrine e um balcão e transformou o galpão na primeira loja de ferragens do povoado.

Todos estavam contentes e compravam dele.Já não viajava, os fabricantes lhe enviavam seus pedidos. Ele era um bom cliente. Com o tempo, as pessoas dos povoados vizinhos preferiam comprar na sua loja de ferragens, a ter de gastar dias em viagens.

Um dia ele lembrou de um amigo seu que era torneiro e ferreiro e pensou que este poderia fabricar as cabeças dos martelos.E logo, por que não, as chaves de fendas, os alicates, as talhadeiras, etc… E após foram os pregos e os parafusos… Em poucos anos, nosso amigo se transformou, com seu trabalho, em um rico e próspero fabricante de ferramentas.

Certo dia decidiu doar uma escola ao povoado. Nela, além de ler e escrever, as crianças aprenderiam algum ofício. No dia da inauguração da escola, o prefeito lhe entregou as chaves da cidade, o abraçou e lhe disse:

– É com grande orgulho e gratidão que lhe pedimos que nos conceda a honra de colocar a sua assinatura na primeira página do livro de atas desta nova escola.
– A honra seria minha – disse o homem. Seria a coisa que mais me daria prazer, assinar o livro, mas eu não sei ler nem escrever, sou analfabeto.
– O Senhor?!?! – Disse o prefeito sem acreditar. O senhor construiu um império industrial sem saber ler nem escrever? Estou abismado. Eu pergunto:
– O que teria sido do senhor se soubesse ler e escrever?
– Isso eu posso responder. – Disse o homem com calma.
Se eu soubesse ler e escrever… ainda seria o PORTEIRO DO PUTEIRO!!!

Lição desta história:  Geralmente as mudanças são vistas como adversidades e obstáculos, principalmente quando estamos em zonas de conforto. Mas estas adversidades podem ser bênçãos. As crises estão cheias de oportunidades. Se alguém lhe fechar as portas, não gaste energia com o confronto, procure janelas para abrir.

Valentin Tramontina: O Porteiro do Puteiro

 

Essa história é atribuída a um grande industrial chamado Valentin Tramontina, fundador da Tramontina, que hoje tem 7.000 empregados e produz 18.000 itens que vão desde colheres de mesa a sofisticadas ferramentas e exporta para mais de 120 países. A cidadezinha é Carlos Barbosa e fica no interior do Rio Grande do Sul.

valentin tramontina porteiro de puteiro

Quase todo mundo que lê este conto fica emocionado e inspirado com a história de superação e sucesso do protagonista. Mas esta bela história é fantasiosa e foi elaborada por alguém para dar uma lição motivadora. Valentin nunca foi porteiro de prostíbulo. Era um colono artesão, oriundo de Santa Bárbara, interior do município de Bento Gonçalves, filho da imigrantes italianos da aldeia de Poffabro, município de de Frisanco, na região do Friuli-Venezia Giulia, nordeste da Itália.

Tramontina

 

A história da Tramontina começa em 1911, quando Valentin Tramontina chega à cidade de Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul, para montar o seu próprio negócio. Das mãos deste filho de italianos, natural de Santa Bárbara (RS), nasce a ferraria Tramontina: uma pequena oficina estabelecida em um terreno alugado.

Após cumprir o serviço militar obrigatório, Valentin retoma suas atividades e investe no futuro, transferindo a empresa para um galpão maior. Terra e mata, algum instrumento de trabalho, foi o início do barraco provisório, do esquartejo do pinheiro, da derrubada da mata, da construção da casa definitiva, dos cercados, galpões e as plantações.

Para o imigrante que deixou a Itália no final do século 19, o principal anseio era a propriedade da terra. O contato com a Revolução Industrial ocorrido na Europa foi de grande valia para o colono italiano. O trabalho na fábrica, ainda que temporário, o familiarizou com o novo modo de produzir. Algumas máquinas, fruto da revolução industrial, foram trazidas pelos imigrantes.

Saber como as máquinas eram produzidas era um atalho para a produção de novas ferramentas e artefatos. Tudo o que escrevemos até agora é para dizer que a família Tramontina tinha em seu sangue o destemor da maioria dos imigrantes que aportaram nessa região inóspita e ingrime do estado mais meridional do Brasil.



Ao chegar na região colonial do Rio Grande do Sul, o imigrante trazia o conhecimento de algumas atividades e as precondições para a produção de outras. Eram extremamente engenhosas.Um córrego, a ser canalizado, em todo ou em parte, foi a grande engenhosidade dos imigrantes. A roda d’água foi o embrião da metalurgia da região.

Valentin Tramontina, em 1911, montou sua ferraria na então vila de Carlos Barbosa. A família de Valentin morava em Santa Bárbara, localidade pertencente ao município de Bento Gonçalves, atualmente fazendo parte do município de Monte Belo do Sul, e lá fabricava ferramentas agrícolas.

Valentin veio a Carlos Barbosa porque a chegada da ferrovia significava perspectiva de expansão. Até 1930, a produção da ferraria era modesta. Valentin prestava serviços a empresas, entre elas Arthur Renner, proprietário de uma refinaria de banha, onde eram abatidos mais de 150 suínos por dia. Fazia consertos nas empresas e fabricava facas e canivetes. Podia ser considerado um ferreiro urbano.

Em 1924, a empresa de Arthur Renner se transfere para Montenegro. A partir de então, ocorrem algumas mudanças na linha de produção. O tradicional cabo de madeira das facas e canivetes é substituído pelo cabo de chifre, e vários modelos são lançados, entre eles um denominado "Santa Bárbara".

fabrica tramontina

Em 1932, Valentin agrega os primeiros colaboradores. São pessoas que residem na vila, trabalham na agricultura em tempo parcial e começam a fazer facas e canivetes nos porões de suas casas.

Valentin Tramontina, nascido em 1893, falece com 46 anos de idade, no ano de 1939. A partir daí, assume a ferraria, dona Elisa Tramontina, esposa de Valentin, que desponta como uma empreendedora nata e arrojada. Ela é quem embarca no trem da estação da vila de Carlos Barbosa e vai vender a produção nos mercados regionais e na capital do Estado.

Durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), caso não existisse a determinação e a coragem de Elisa, a ferraria teria sucumbido.

O ano de 1949 pode ser considerado um marco na história do Grupo. Trata-se da data em que Ruy José Scomazzon, barbosense de 20 anos, amigo de Ivo Tramontina, cursando a Faculdade de Ciências Econômicas da PUC – Porto Alegre, começa a prestar assessoria à Tramontina. Ruy, com espírito de liderança, implanta planos ambiciosos, enfatizando a organização em todos os setores. Inaugura-se uma nova etapa. O caráter artesanal dá lugar a uma produção manufatureira.

Na década de 50, a empresa contava com 30 empregados e alguns representantes comissionados espalhados pelo Estado.

Os canivetes representavam 90 por cento do faturamento. Vem da Itália a tradição de ter no bolso um canivete, cuja denominação é "brítola". Trata-se de um canivete com formato de pequena foice utilizado principalmente na poda da parreira, para cortar vime. A Tramontina sempre se destacou na fabricação deste canivete. A empresa se capitaliza rapidamente, com inovações tecnológicas: laminadores, marteletes, máquinas de esmerilhar e forjar, que dinamizam a produção em série.

Com a presença do governador Ildo Meneghetti, em dezembro de 1956, foi inaugurada a ampliação das instalações da empresa e o novo escritório. Intensifica-se a produção de facas e ferramentas agrícolas. O ano de 1958 marca a fundação da Metalúrgica Forjasul, em Porto Alegre, e posteriormente transferida para Canoas.

Em 1961 falece a grande baluarte Elisa Tramontina. As décadas de 60 e 70 são marcadas pela instalação de empresas do Grupo em Garibaldi, Farroupilha e na Bahia, e também pela admissão de novos empregados.

A história de sucessão começou em 1949, quando Ivo Tramontina seguiu os passos do pai e passou a comandar o negócio, junto com seu amigo, Ruy J. Scomazzon. Nas décadas seguintes, a dupla foi responsável por expandir o empreendimento e levar a Tramontina para cerca de 120 países.

A tradição da família continuou quando Clóvis Tramontina, filho de Ivo, deu sequência aos negócios, assumindo, em 1992, a presidência da companhia. Mas ele não caiu de paraquedas no cargo. Antes de alcançá-lo, foi preparado para isso. Passou por vários setores da empresa e estudou, se formando em Administração e fazendo alguns outros cursos depois, como pós-graduação e MBA.

loja tramontina

Houve um salto gigantesco. Dos 30 empregados existentes em 1950, a empresa passou a ter em seu quadro 557 funcionários no final dos anos 60. Hoje o Grupo emprega quase 7.000 pessoas, exporta para mais de 120 países e é uma marca conhecida no mundo inteiro. Nas suas 10 unidades produz mais de 18 mil itens. A organização das fábricas se dá da seguinte forma:

  1. Tramontina Belém, localizada na cidade de Belém/PA, produz móveis de madeira para áreas internas e externas, utilidades domésticas e cabos para ferramentas.
  2. Tramontina Cutelaria, localizada na cidade de Carlos Barbosa/RS, produz facas de cozinha, profissionais e esportivas, utensílios de cozinha, talheres para uso diário, panelas, frigideiras, formas e assadeiras, tesouras, potes plásticos, uma linha infantil e uma linha de produtos e acessórios para churrasco.
  3. Tramontina Delta, localizada na cidade de Recife/PE, produz mesas, cadeiras, brinquedos, estantes, vasos, lixeiras, caixas organizadoras, gaveteiros e poltronas de plástico injetado ou rotomoldado.
  4. Tramontina Eletrik, localizada na cidade de Carlos Barbosa/RS, produz tomadas, interruptores, disjuntores, duchas, extensões, conduletes, acessórios para eletrodutos, aparelhos à prova do tempo, iluminação, injeção de alumínio sob encomenda e produtos para atmosferas explosivas.
  5. Tramontina Farroupilha, localizada na cidade de Farroupilha/RS, produz panelas, talheres e uma linha para servir de aço inoxidável, cozinhas profissionais e eletroportáteis.
  6. Forjasul Canoas, localizada na cidade de Canoas/RS, produz morsas, machados, marretas, ganchos para içamento de cargas, forjados sob encomenda e ferragens eletrotécnicas para linhas de transmissão e subestações de alta e extra-alta tensão e para redes aéreas de distribuição de energia elétrica.
  7. Tramontina Garibaldi, localizada na cidade de Garibaldi/RS, produz ferramentas industriais e organizadores metálicos para o setor industrial e automotivo, ferramentas profissionais para a construção civil e ferramentas manuais para uso doméstico.
  8. Forjasul Madeiras, localizada na cidade de Encruzilhada do Sul/RS, produz painéis de pinus, prateleiras retas e de canto, estantes e utilidades domésticas.
  9. Tramontina Multi, localizada na cidade de Carlos Barbosa/RS, produz equipamentos dirigíveis, ferramentas e equipamentos para jardinagem, agricultura e construção civil.
  10. Tramontina TEEC, localizada na cidade de Carlos Barbosa/RS, produz tanques, pias/cubas, coifas, cooktops, fornos, lixeiras, cachepôs e acessórios.


Fonte



domingo, 7 de janeiro de 2018

Billions - Terceira Temporada: Acompanhe!


Uma das séries atuais que podem ser consideradas obrigatórias para quem se interessa por mercado financeiro é Billions. A série é ambientada no mundo dos fundos multimercados (hedge funds) de Nova Iorque e é exibida aqui no Brasil no Netflix. Duas temporadas já estão disponíveis e agora foi anunciada a data de estreia da terceira temporada: 25 de março de 2017.

Billions desenvolveu silenciosamente um público devoto no decorrer de suas duas primeiras temporadas. Embora não traga os números grandiosos de Game of Thrones da rival HBO, há algo a ser dito pela qualidade da série e os fãs estão cada vez mais interessados na trama. David Nevins, da produtora Showtime, disse recentemente:

"Billions continua a ser um show em ascensão, crescendo não só em audiência, mas em zumbido crítico e de relevância cultural. A série oferece uma mistura única de entretenimento puro com comentários astutos sobre a nossa economia atual. A 2ª temporada foi um sucesso tremendo, e só estimulou o apetite do nosso público pelo que virá na temporada 3. "

O show se concentra em torno da guerra em curso entre o bilionário de hedge funds, o operador Bobby "Axe" Axelrod (Damian Lewis) e o procurador dos EUA, Chuck Rhoades (Paul Giamatti), enquanto o último tenta punir Axelrod pelas suas táticas questionáveis no mercado financeiro.


Na 3ª temporada de Billions, Chuck Rhoades e Bobby Axelrod lutarão contra novos inimigos, enquanto ainda acham tempo para se destruir. Enquanto isso, a esposa de Chuck (Maggie Siff), que também é treinadora de desempenho de Ax, é "all in" para ambos, o que provavelmente causará pelo menos alguns problemas para todos ao longo do caminho.

Billions é uma série de drama da televisão americana criada por Brian Koppelman, David Levien e Andrew Ross Sorkin, tem como protagonistas os astros Paul Giamatti e Damian Lewis, estreando em 17 de janeiro de 2016. A série é levemente baseada nas atividades do promotor federal especializado em crimes financeiros Preet Bharara, o ex -advogado dos EUA para o Distrito do Sul de Nova York, e suas batalhas contra o gestor de hedge funds Steve Cohen da SAC Capital Advisors.

A segunda temporada também incorpora vagamente os casos envolvendo a conduta de manipulação de mercado do leilão de títulos do Tesouro da Salomon Brothers, incluindo os papéis do CEO John Gutfreund e do trader de títulos Paul Mozer, em 1991. A segunda temporada estreou em 19 de fevereiro de 2017. Em 8 de março de 2017, a Showtime renovou a série por uma terceira temporada que está programada para estrear em 25 de março de 2018.

Elenco Principal de Billions


Damian Lewis é Robert "Bobby" Axelrod: um ambicioso gerente bilionário de um hedge fund chamado Axel Capital e um graduado da Universidade Hofstra que tem origem humilde. Ele foi um dos sobreviventes dos ataques de 11 de setembro e paga a taxa de matrícula da faculdade dos filhos de seus colegas que morreram no World Trade Center . Ele é extremamente caridoso e generoso em público, mas usa a prática de insider trading e suborno para aumentar a enorme riqueza de sua empresa. O caráter é levemente baseado em Steve "Stevie" Cohen e seu antigo hedge fund SAC.


Damian Lewis é Bobby Axelrod: Riqueza construída com práticas de insider trading.

Paul Giamatti é Charles "Chuck" Rhoades Jr .: Procurador dos EUA para o Distrito Sul de Nova York. Rhoades é implacável e tem um gosto particular por criminosos ricos que tentam comprar o caminho da justiça. Apesar de seu poder significativo como procurador dos EUA, Rhoades luta para não ser ofuscado tanto por sua esposa, Wendy, como por seu pai bem relacionado e muito rico. Ele foi para Yale (assim como Giamatti e seu pai) e tem uma confiança cega de que seu pai é um administrador fiduciário. Em particular, ele e sua esposa se envolvem no papel do BDSM, com Chuck como o "escravo" de Wendy. O caráter é levemente baseado em Eliot Spitzer e Preet Bharara.

Maggie Siff é Wendy Rhoades, MD: uma psiquiatra, treinadora de desempenho interno da Axe Capital e esposa de Chuck Rhoades. Ela é motivada e extremamente bem-sucedida. Ela tem um forte relacionamento com Axelrod, seu chefe, com quem trabalha há mais de 15 anos.


Maggie Siff é esposa de Paul Giamatti na trama e trabalha para Bobby Axelrod: um triângulo nada usual

Malin Akerman é Lara Axelrod: esposa de Bobby Axelrod e uma ex-enfermeira (que mantém sua licença profissional). Ela é de uma educação de classe baixa mas deixou seu passado para trás. Ela é devotada a seu marido e seus filhos. Seu irmão Dean foi um bombeiro que morreu durante os ataques do 11 de setembro.

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Bonificação de Ações para o Imposto de Renda 2018


Um dos assuntos que mais geram dúvidas para o investidor na hora de declarar o imposto de renda é a bonificação de ações. Pensando nisto, preparei um tutorial (link aqui) para você que irá declarar ações bonificadas pela primeira vez e está na dúvida em como fazer o procedimento. No artigo, apresento também as principais diferenças entre bonificações, desdobramentos e agrupamentos. Abaixo a lista de ações que sofreram eventos no ano de 2017.


BBDC


VII. Custo das Ações Bonificadas: o custo atribuído às ações bonificadas é de R$14,405066098 por ação, independentemente da espécie, para os fins do disposto no Artigo 10 da Lei no 9.249, de 26.12.1995 (com nova redação dada pela Lei no 12.973, de 13.5.2014), e no Parágrafo Primeiro do Artigo 58 da Instrução Normativa no 1.585, de 31.8.2015, da Secretaria da Receita Federal.

Fonte

BRML


Em decorrência da aprovação, a partir de 2 de maio de 2017, as ações já estão sendo negociadas ex-bonificação. Portanto, a posição acionária a ser considerada para identificação dos acionistas com direito ao recebimento das novas ações é a do final do dia 28 de abril de 2017. Como informado na proposta da administração, o custo atribuído às ações bonificadas é de R$ 15,09 por ação.

Fonte

CIEL 

 

Conforme constou do Aviso aos Acionistas, o custo unitário atribuído a cada uma das ações bonificadas da Cielo S.A. é de R$ 2,65 por ação.

Fonte

LREN


A Assembleia Geral Extraordinária da Lojas Renner S.A. ("Companhia"), realizada em 03/05/2017, aprovou a bonicação de ações, a razão de 10% (dez por cento), que corresponderá à emissão de 64.355.058 novas ações ordinárias, pelo que será emitida 1 (uma) nova ação ordinária para cada 10 (dez) ações ordinárias existentes naquela data, com custo unitário atribuído de R$ 16,78 por ação.

Fonte

RENT


Comunicamos aos Senhores Acionistas que a Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária da Localiza Rent a Car S.A. (“Companhia”), realizada em 25 de abril de 2017, aprovou a bonificação de ações, a razão de 5% (cinco por cento), que corresponderá à emissão de 10.589.670 novas ações ordinárias, sendo 1 (uma) nova ação ordinária para cada 20 (vinte) ações ordinárias possuídas, com custo unitário atribuído de R$ 49,42 por ação. As ações mantidas em tesouraria, bem como os programas de opção de compra de ações serão ajustados na mesma proporção.

Fonte

SULA


Sul América S.A. (BM&FBovespa: SULA11) (“Companhia” ou “SulAmèrica”) comunica aos seus acionistas que, conforme deliberação das Assembleias Gerais Ordinária e Extraordinária, realizadas cumulativamente em 29.03.2017, dará início, a partir do dia 18.04.2017, ao pagamento dos dividendos relativos ao exercício social encerrado em 31.12.2016, no valor de R$80.706.529,45, a serem pagos à razão de R$0,0803632874789384 por ação ordinária ou preferencial da Companhia não representada por unit, e R$0,2410898624368150 por cada unit. Farão jus ao recebimento dos dividendos os acionistas titulares de ações na posição acionária final do dia 29.03.2017. Esclarece, por fim, que as ações e as units passarão a ser negociadas “ex-dividendos” a partir de 30.03.2017, inclusive.

Fonte

VLID


A Valid Soluções e Serviços de Segurança em Meios de Pagamento e Identificação S.A. (“Companhia”) (BM&FBOVESPA: VLID3 ON), comunica aos seus investidores e ao mercado que, em sua Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 15 de maio de 2017, aprovou a bonificação de ações a razão de 10% (dez por cento), que corresponderá à emissão de 6.475.000 novas ações ordinárias, sendo 1 (uma) nova ação ordinária para cada 10 (dez) ações ordinárias possuídas até a data da referida Assembleia com um custo unitário atribuído de R$ 25,28 por ação.

Fonte