quarta-feira, 16 de outubro de 2019

3Fs: Family, Friends and Fools

No mundo do empreendedorismo e das startups existe um conceito muito difundido: 3 F’s - Family, Friends and Fools...


Family, Friends and Fools é uma expressão muito utilizada no âmbito do empreendedorismo e das startups e representa o conjunto de pessoas a quem o empreendedor pode recorrer em primeiro lugar para obter recursos quando pretende desenvolver uma ideia de negócio. Geralmente são pessoas com quem se têm laços familiares e/ou de amizade e que acreditam no potencial da sua ideia de negócio.

O motivo pelo qual os tolos (fools) estarem neste grupo está relacionado ao risco associado a empréstimos ou investimentos em um negócio ainda incipiente. Geralmente, esses indivíduos não são investidores sofisticados, ao contrário, investem de maneira tola ou extravagante.

O dinheiro proveniente do grupo 3F é comumente chamado de "love money". Em contrapartida, o dinheiro proveniente de investidores profissionais é chamado de "smart money". O dinheiro do amor (love money) é recebido principalmente das pessoas no ambiente de fundadores, como amigos e familiares, enquanto o dinheiro inteligente (smart money) está um passo adiante e fornece, além do dinheiro, conhecimento e know-how importante.

Os investidores de smart money geralmente são pessoas de negócios sofisticadas, que trazem uma compreensão dos mercados financeiros, redes fortes e uma intuição para identificar tendências antes de outras pessoas. Em contrapartida, as vantagens do dinheiro do love money são óbvias: boas taxas, padrões de crédito brandos e a chance de investidores FFFs participarem do sucesso do empreendedor iniciante.

No entanto, existem algumas desvantagens notáveis no love money que também devem ser consideradas. Primeiramente, as relações podem sofrer. A conexão pessoal pode levar os investidores amorosos a ignorar a incerteza de um empreendimento comercial de alto risco. As expectativas em relação ao reembolso, por exemplo, podem ser muito altas, o que leva à decepção, se o amigo ou membro da família não tiver sido claro sobre os possíveis riscos.

Outro problema pode ser a falta de documentação. Se um acordo não for muito claro e não for devidamente documentado, poderá causar problemas mais tarde. Além disso, se os termos e condições estiverem documentados, outro obstáculo em potencial pode estar deixando de segui-los. A melhor papelada é inútil, se você não se importa com a supervisão.

3Fs no Dia-a-Dia


Podemos extrapolar este conceito dos 3Fs e levá-lo para o dia-a-dia das pessoas comuns. Se você é um leitor deste blog, trabalhador, poupador, estudioso, planejador e investidor consciente provavelmente tem hoje uma vida financeira equilibrada e livre de grandes riscos.

A realidade nua e cura é que você faz parte de um percentual muito pequeno da população do nosso país. Isto é, a maior parte das pessoas em sua volta são "Family and Friends" em risco financeiro eminente. E neste contexto fatalmente você terá que entrar com algum recurso para socorrer alguém deste grupo.

Então onde fica o Fool neste história? Ao acordar de manhã e for lavar o rosto no banheiro você estará olhando para ele. Este é o ônus das pessoas financeiramente equilibradas. Vez ou outra deverá encarnar o papel do Fool para socorrer algum Family or Friend em situação financeira caótica.

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Você é Um Acumulador Compulsivo? Conheça a História da Bernadeth!

No meu último post, o colega Calvin que escreve no Blog do Calvin deixou o seguinte comentário...


Fico feliz de escrever algo que toca uma determinada pessoa em um determinado momento da sua vida. Muitas vezes a pessoa está angustiada com alguma situação mas na verdade está apenas precisando ouvir algo para que as coisas passem a fazer sentido.

Esta questão do aporte, da acumulação, é algo que aflige quem está em busca da liberdade financeira no futuro próximo. Mas temos que ter em mente que nem sempre será possível aportar o que queremos. E qual o problema disto? Nenhum.

Eu mesmo já fiquei, em alguns momentos da minha vida, meses e meses sem aportar nenhum tostão nas corretoras. Nem por isto deixei de viver. O importante é termos a consciência de entender que a vida é composta de momentos diferentes e, se não estamos ganhando dinheiro, com certeza estaremos ganhando experiência de vida. Afinal, dinheiro é apenas um papel pintado, experiência de vida vale muito mais do que isto.

Mas sim, precisamos acumular. A dúvida que surge é: em qual medida? 10%? 20%? 60% dos rendimentos? Não há resposta, aporte o que der, o que sobrar. Não pode é cair na cilada da acumulação compulsiva, despropositada, patológica.

Me lembrei agora de um caso curioso, que foi mostrado em uma reportagem do Fantástico. Transcreverei abaixo parte da reportagem:

Imagine uma pessoa guardar objetos de todos os tipos dentro de casa. Mas de todo tipo mesmo, milhares de coisas empilhadas até o teto. E, no meio dessa confusão, dólares e barras de ouro.

Uma funcionária pública aposentada do Rio Grande do Sul fazia exatamente isso: escondia um tesouro no meio de uma bagunça gigantesca. Mas, enquanto ela estava viva, ninguém sabia. A verdade só surgiu depois que a mulher morreu. Uma morte misteriosa, que intriga a família e os amigos.

Bernadeth se formou em medicina veterinária. Passou em um concurso público e se tornou fiscal do ministério da Agricultura. Foram 24 anos de carreira, até se aposentar. Bernadeth era solteira, não tinha filhos e escondia um grande segredo. “Ninguém tinha acesso à casa dela. Ela não abria a porta para ninguém”, diz a amiga de Bernadeth

A aposentada tinha um transtorno psiquiátrico: era uma acumuladora compulsiva de objetos.

Os três quartos do apartamento estão cheios de roupas, malas, cobertores, sacolas e outros objetos. Mas o mais impressionante é o banheiro. O box está lotado. Não é possível nem entrar para tomar banho. “A pessoa perde a noção de higiene, não se alimenta adequadamente. Isso vai em uma bola de neve até que você se isola do mundo”, afirma Patrícia Picon.

Amigos e parentes dizem que Bernadeth não fazia nenhum tipo de tratamento médico. “Ela juntava coisas na rua, no lixo. Mas ela sempre dizia que era para doar para alguém”, conta a vizinha que não quis ser identificada.

A vida secreta da aposentada só foi descoberta depois que ela morreu, em julho de 2012, aos 67 anos. A Dona Bernadeth dormia em um quarto, que tem uma coleção de jarros, copos, pilhas de papéis, livros, dezenas de almofadas de todos os tipos e tamanhos. É difícil até de caminhar dentro. E ela foi encontrada morta no quarto ao lado, embaixo de uma pilha de roupas que, segundo a perícia, chegava a quase dois metros de altura.

As roupas cobriam o corpo dela. Os laudos da polícia gaúcha apontaram que o apartamento não foi arrombado, que a aposentada estava morta havia de três a cinco dias e que o corpo não apresentava sinais de violência.

No apartamento, no meio de toda essa bagunça, a aposentada guardava mais de três quilos de ouro e 37 mil dólares, que equivalem a cerca de R$ 115 mil. Uma fortuna que estava dentro de potes de café. Somando isso tudo e mais imóveis e aplicações financeiras, Dona Bernadeth tinha um patrimônio estimado em R$ 2 milhões. 


Então amigo, cuidado para não se tornar uma Bernadeth. Acumular é importante mas deve ser o meio e não o objetivo. Sei que é difícil encontrar um equilíbrio entre o gasto e a acumulação. Mas encontrei um jeito simples: eu alterno meu pensamento de tempos em tempos. Hora faço coisas como se eu fosse morrer amanhã, hora me comporto como se fosse morrer com 100 anos de idade, assim consigo abranger os dois espectros comportamentais, do carpe diem ao frugal life style (risos).