sábado, 31 de janeiro de 2015

A Bolsa Está Barata?

Esta é aquela famigerada pergunta que não tem resposta. Afinal o que é barato? O que é caro? Eu já desisti de responder estas perguntas. Talvez para os gringos a bolsa está barata pois o Dólar subiu e as ações caíram, talvez para nós brasileiro ainda está cara tendo em vista as nuvens negras que estão se formando nos céus do Brasil. Infelizmente não são nuvens de chuva.


O IBOV está agora em ponto crítico no gráfico mensal, das principais ações que compõem o índice apenas ABEV3 está em tendência de alta. Até os bancos não estão segurando a onda. O Bradescão soltou um ótimo resultado na semana e desde então já caiu 7%. Isto não é um bom sinal.


No meu conceito de "barato", o IBOV precisaria cair pelo menos mais 10%. Melhor seria 20%. Com queda de 10% iríamos para 42.000 pontos. Com 20% iríamos para 36.000 pontos. Abaixo listo meus targets de compras.


O IFIX engatou alta desde dezembro último e agora está enfrentando resistência. No ponto em que ele está há grandes chances de retomar a tendência de baixa.


Caindo para os patamares de dezembro último eu já me animaria retomar as compras de FIIs. Abaixo listo meus targets de compras.


Galera, postei no blog de cada um de vocês uma enquete sobre as cinco ações, cinco FIIs e a modalidade de renda fixa mais promissoras para os próximos anos. Daqui duas semanas irei fazer a coleta dos dados e postar até o fim do mês o resultado. Conto com a participação de todos. Quem não tem blog pode postar aqui as sugestões.

Bom fim de semana a todos!

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Fechamento de Janeiro/2015 (Operações no Mini-Índice)

Pessoal,

Conforme dito aqui no início desta jornada, no final deste mês faria uma avaliação das operações executadas ao longo de janeiro. Caso não quebrasse até o dia de hoje, continuaria em fevereiro as operações para aperfeiçoamento dos métodos. Para dessabor de alguns e satisfação de outros, digo que continuarei mais um mês. A fase 2 está em pleno andamento e pode ser acompanhada neste post.

Abaixo segue a planilha de acompanhamento das operações. Foram 18 dias de operações ininterruptos sendo que ganhei em 17 e perdi em 1. Infelizmente o dia de perda foi catastrófico e quase me quebrou, mas a lição ficou na memória e vou encarar este dia como custo do aprendizado.


Faturei nestes 18 dias 8.522 reais brutos e perdi 4.684. Estou fechando o mês com caixa de 3.626 na corretora porém ainda preciso abater o valor imposto de renda que será transferido para o banco. De taxas gastei 1.911 reais. Pode parecer um valor alto mas em alguns dias eu perdi o controle da quantidade de contratos. Agora, operando pequeno, tenho gasto 60 reais em média por dia.

Com o valor apurado nas operações, a carteira da Rico (corretora que utilizo para realizar as operações) na qual tenho algumas ações e FIIs está fechando o mês com rentabilidade de 1,71% frente -6,49% do IBOV. Em compensação, as outras carteiras amargam perdas de -3,49% (Mirae) e -9,29% (MyCap). A carteira da Mirae é onde concentro as ações de dividendos e FIIs de papel. Já a carteira da MyCap é onde concentro as ações de crescimento e FIIs de tijolo. O que impactou muito a carteira da MyCap foi meu posicionamento em ESTC3 e ANIM3 que estão sendo muito castigadas pelo mercado.

Então é isto galera. Não sei até onde vai esta jornada mas ainda não é hora de parar. Pode estar apenas começando ou pode ser apenas um sonho de verão. Só o tempo dirá. Termino este post com este excelente clipe do Metallica na balada boa...

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

sábado, 24 de janeiro de 2015

Rentabilidades dos Pequenos Investidores em 2014

PessoALL!

Fechei o ranking de 2014. Meus sinceros parabéns ao Divi (campeão geral), ao Sonny (campeão na renda variável), ao Zé Ninguém (campeão nas ações) e ao AdP (campeão nos FIIs).


Obs.: Os investidores marcados com (*) não utilizaram a planilha do AdP no cálculo das rentabilidades.




quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Operando Mini-Índice - Décimo Primeiro Dia (Fail!)

Pessoal,

Hoje no período da manhã estava ganhando 800 reais mas no período da tarde meu emocional descontrolou. Perdi os 4.000 reais que tinha ganho até aqui. Foi meu maior aprendizado até o momento, queria de toda forma reaver os 800 reais do período da manhã e perdi o controle. Não quebrei, tenho os mesmos 1.000 reais de partida na conta, o mercado ainda está me dando esta chance pois se tivesse zerado estaria automaticamente fora do jogo.

Abraço!

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Operando Mini-Índice - Segundo Dia

Boa tarde pessoal!

O segundo dia de operação com o Mini foi positivo porém tenso. Aprendizado do dia: não esteja posicionado no Mini no momento da abertura do mercado de ações e não opere alto nos primeiros testes.

Como pode ser visualizado no gráfico abaixo, o Mini esteve andando de lado das 9 até as 10. Foi um período relativamente tranquilo onde consegui, com poucos contratos, obter 90 reais. Quando o IBOV abriu (ponto 1 do gráfico), várias ações já partiram em alta, porém, uma forte pressão vendedora surgiu fazendo com que a maior parte dos papéis caíssem forte em questão de minutos. Eu não estava posicionado no momento da abertura, porém resolvi entrar comprado assim que o preço tocou o primeiro suporte que até então estava sendo respeitado.

Já tinha começado o dia disposto a carregar mais a mão nas operações. Como ontem operei 2 contratos por ordem o teste de hoje seria operar 5 contratos. Esta estratégia se mostrou muito perigosa para um mercado muito volátil e sem direção com foi no dia de hoje.

Após a primeira compra, realizei mais duas compras nos suportes do gráfico ficando então comprado em 15 contratos. O mercado estava derretendo naquele momento, mas um forte suporte já estava definido no gráfico (ponto 2) e foi nesta região que executei então mais 2 ordens. Neste momento já estava negativo em 1.900 reais na conta.

Fiz isto porque o acreditava que batendo no suporte o preço iria repicar, o que de fato ocorreu. Neste momento o psicológico já estava abalado o que me fez definir como ponto de saída da operação a primeira resistência sentida pelo preço. A zeragem completa dos contratos foi então executada no ponto 3.

Quando se está com o psicológico abalado não conseguimos ver o movimento que se desenha, e estava se desenhando um fortíssimo movimento de alta que de fato ocorreu. Fechei o HB para dar uma respirada e refletir sobre o ocorrido, determinar os pontos de falha para que os mesmos não sejam repetidos no futuro.



Após a pausa, como o preço já estava esticado, procurei então pontos de retorno no gráfico. Mas subestimei a força do mercado. Realizei 4 vendas, com a mão mais leve agora, nas resistências que o preço encontrava pelo caminho.

Algo se passava com o mercado de uma forma geral e fui dar um olhada nas principais ações do índice (Petro, Vale, Itaú e Gerdau). Todas estavam fortíssimas principalmente a Petro que vinha engatando um forte movimento de alta. Parei para analisar o gráfico da Petro pois percebi que a mesma estava 'puxando' o mercado de certa forma. Vi que o papel vinha para fechar o último gap, o que de fato ocorreu.

Formulei então uma teoria da conspiração de que, ao fechar o gap, um forte movimento de venda surgiria no mercado (os especuladores realizando o lucro) e isto contribuiria por iniciar um movimento corretivo no índice. Próximo deste ponto o mercado sinalizou topo e fiz então uma venda agressiva de 30 contratos (ponto 4). Já estava convicto de que o mercado começaria um movimento de queda pois as ações citadas acima já tinha começado um movimento de correção, inclusive a Petro.

O objetivo era zerar toda a posição ao encontrar o primeiro suporte que se desenhava no gráfico, o que foi realizado no ponto 5. A partir deste momento já estava positivo novamente no dia em 480 reais e com um grande aprendizado de como não operar Mini Índice. Fechei então a operação.

As compras e vendas agressivas deram certo, não foram executadas na loucura pois tive a sensatez de analisar o mercado de uma forma mais geral, porém, a mão carregada atrapalhou muito o psicológico.

Realizei mais uma vendinha no final do pregão só para arrematar o dia, com 1 contrato apenas, rs, o que fez o ganho bruto fechar em 516 reais como pode ser visto na boleta abaixo.


Meninos, não é brinquedo não...

Investidor Extraordinário: Entrevista Márcio Noronha

Uma aula de como ganhar e perder dinheiro no mercado...

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Operando Mini-Índice...

Boa tarde pessoal!

Passando por aqui hoje só para informar que iniciei hoje minhas operações day-trade nos Minicontratos de Índice Bovespa, carinhosamente chamado pelos operadores de "Mini". Apesar de já ter executado operações day-trade com ações, ainda não me sinto confortável para operar grades volumes no Mini, mesmo porque estou começando, desta forma operei apenas um contrato em cada ordem. Entrei comprado e vendido em 4 momentos ao longo do dia, sempre com alvos de ganho curtinhos para sentir o ambiente e não levar maiores sustos.


Estou utilizando os tempos gráficos de 15, 5, 3 e 1 minuto para detectar os pontos de entrada e saída. Nada de Fibo por enquanto, apenas usando meus conceitos básicos de médias móveis, suportes e resistências.

Foi um dia complicado de operar pois o mercado já começou em gap de alta o que me desencorajou de executar uma venda pois a força era compradora. Entrei então comprando um contrato (primeira seta amarela no gráfico abaixo).



Olhando a figura acima é fácil notar que foi um dia de grande alta, mas para quem estava posicionado no início do pregão a grande consolidação que se formava não permitia apostar em nenhum lado. Sendo assim fiz a primeira venda na seta verde que era a resistência até então. Vendi dois contratos formando assim uma posição vendida no dia. Logo em seguida a resistência foi rompida já me dando um calorzinho, resolvi então dobrar a aposta e vender mais um contrato.

Em seguida o preço caiu me deixando novamente positivo, e ao se aproximar da média móvel zerei as posições vendidas. Como o preço voltou a subir entrei comprado novamente em um contrato e defini a venda na resistência. A venda foi executada e logo em seguida o preço disparou caracterizando um rompimento de topo. A partir deste ponto não podia fazer mais nada já que estava fora do jogo, precisava aguardar um retorno à média para fazer nova compra, ou então vender uma das próximas resistências.

Fechei então o HB para retornar as minhas atividades rotineiras, me dando satisfeito com este primeiro dia de operação. Porém, resolvi dar uma espiadinha na hora do café da tarde, rs, e vi que o preço estava realizando novo retorno à média. Decidi então entrar comprado novamente definindo o alvo na próxima resistência o que gerou mais um pequeno lucro. Realizei ainda mais uma operação no fim do dia que foi fechada logo pois o mercado começava apresentar sinais de fraqueza.

Neste primeiro dia foi possível conhecer as boletas do HB (estou usando a corretora Rico) e familiarizar com o ambiente gráfico. Preciso agora trabalhar estes movimentos de rompimento de topo e fundo pois perdi grandes oportunidades no dia de hoje por ter fechando as posições nas resistências. Vejo operadores comprando o rompimento, mas eu particularmente gosto de comprar os recuos após rompimentos, de preferência apoiados nas médias móveis.

Em dia de alta irei operar predominantemente comprado, e em dias de baixa predominantemente vendido. Em dias laterais como o de ontem irei operar tanto vendido quando comprado.

O resultado do dia foi positivo em termos de grana (125 reais brutos), porém foi negativo se considerado o tempo que fiquei com o HB aberto. Sinceramente não sei até que ponto este tipo de operação poderá ajudar nos investimentos, por enquanto estou apenas fazendo um piloto, e esta pode ser a minha última tentativa de realizar operações curtas, já que todas as anteriores falharam.

Link para quem quiser conhecer mais sobre os Minis...

Em relação aos investimentos de longo prazo, uma ordem que havia lançado ontem na ANIM3 em 25,52 foi executada. Lancei nova ordem agora em 22,22.

Abraço a todos!

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Mudanças no FIES: O Impacto no Setor Educacional da Bolsa Brasileira

Podemos dizer que o mercado é cruel ou podemos dizer que é justo, tudo depende do ponto de vista de quem faz a análise.

Para quem comprou alguma ação de empresa do setor educacional (Estácio, Kroton, Ser Educacional ou Anima) nas semanas que antecederam o natal, o mercado está sendo bem cruel neste início de ano.

Porém, para quem namorava mas não tinha ainda entrado no setor ou desejava fazer novos aportes, o cenário atual pode ser encarado como uma justa e saudável correção dos preços que estavam muito distantes das médias móveis.


As cotações de todos os papéis do setor estão sendo fortemente pressionadas pelos vendedores. Por enquanto é um movimento especulativo em função das mudanças no FIES (Fundo de Financiamento Estudantil) divulgadas na semana passada. Porém, tais mudanças poderão afetar as receitas futuras destas empresas o que tem afugentado os investidores que estavam posicionados. Lógico que os operadores profissionais aproveitam do pânico dos investidores entrando fortemente em operações vendidas o que contribui para uma queda ainda mais aguda.

Segundo as novas regras do Ministério da Educação, os estudantes precisarão tirar no mínimo 450 pontos no ENEM (1000 é a pontuação máxima) para terem acesso ao benefício do FIES, e não poderão zerar a prova de redação. Além disto, os candidatos não poderão mais receber o benefício simultâneo do financiamento com recursos do FIES e da bolsa PROUNI.

O MEC também mexeu em uma regra dando ao Governo mais tempo para repassar às empresas privadas os recursos do FIES - uma medida que deve pressionar o capital de giro das empresas.  O repasse hoje se dá a cada 30 dias, e agora será feito a cada 45 dias.

Alguns analistas apontam que a nova regra pode diminuir de 30 a 40% o número de benefícios concedidos. Ainda é cedo para se avaliar o impacto destas mudanças nos lucros da empresas, mas um quadro de aperto das despesas do governo que se desenha para este mandato pode acabar com a festa deste setor que vem subindo fortemente desde 2011 graças à política de incentivo praticada no mandato anterior da Dilma.

Hoje "reaportei" na ANIM3 conforme já tinha planejado. Tinha zerado minha posição em dezembro em função de uma grande alta que o papel sofreu. Agora estou novamente posicionado e sem previsão de novas vendas. Na verdade não irei vender nenhum papel neste ano que não esteja entre os 10 que eu listei neste post. O objetivo desta conduta é estabilizar as carteiras de investimento que foram sacolejadas pra todo lado em 2014.

O gráfico abaixo mostra claramente que a cotação do papel encontra-se agora abaixo da média móvel. Geralmente é nesta região que eu procuro comprar. Nada garante que uma queda maior possa ocorrer, e é por este motivo que eu faço apenas uma entrada parcial em um primeiro momento, antes de entrar na água fria sempre é bom colocar o dedinho do pé primeiramente, rs.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Resoluções de Ano Novo para Investimentos

Parece que este negócio de resolução de ano novo, por mais clichê que possa parecer, entra ano e sai ano teima em martelar na cabeça da gente.


Para 2015 defini alguns pontos que começam ser trabalhados dese já, são eles:

1 - Aumento de dedicação à minha empresa visando aumento de lucros: é a única forma que eu tenho de aumentar meus rendimentos, portanto, mãos à obra.

2 - Diminuição de gastos visando maiores aportes: mesmo com a chegada de uma boquinha a mais na casa será possível gastar menos em 2015. Não teremos mais os pesados gastos com Fertilização In Vitro e parto de bebê. Ocorrerá um gasto não recorrente com um novo automóvel na ordem de 40.000 reais mas acredito ser possível diminuir os gastos médios mensais dos atuais 6.300 para algo próximo de 5.500. Pretendo diminuir principalmente os gastos com presentes, seguros e supermercado.

3 - Venda das 10 ações mais problemáticas da carteira (BRPR3, DIRR3, DTEX3, EUCA4, NATU3, OGXP3, PETR4, RAPT4, SAPR4, STBP11): aguardarei para isto o próximo ciclo de alta da bolsa, definitivamente não está na hora de vender nada. Além disto pretendo fazer os primeiros aportes em WEGE3 e KEPL3 bem como voltar a aportar na ANIM3.

4 - Diminuição de exposição aos FIIs de papel (XPGA11, FEXC11 e VRTA11): em 2014 carreguei a mão nestes FIIs e ao longo de 2015 precisarei balancear a carteira. Vamos apenas aguardar a inflação dar o ar da graças para que estes papéis consigam respirar.

5 - Continuação da política de aportes pontuais em FIIs de tijolos nos momentos mais oportunos: SDIL11, RNGO11, NSLU11B, HGRE11, AEFI11,  BRCR11, FIIP11B, FCFL11B, RBRD11.

6 - Continuação da política de aportes pontuais em ações de dividendos nos momentos mais oportunos: BBSE3, ABEV3, LEVE3, CIEL3, CMIG3, CTIP3 e ALUP11.

7 - Continuação da política de aportes pontuais em ações de crescimento nos momentos mais oportunos: UGPA3, ITUB3, MDIA3, RENT3, TOTS3, BRFS3 e PCAR4.

8 - Ficarei de olho também em outros ativos como o FIP XPOM11 e os títulos do tesouro atrelados à inflação. Poderei também realizar aportes pontuais LCI/LCA ou mesmo debêntures.

9 - E finalmente a grande mudança do ano que será a substituição dos trades em ações pelos trades em mini-índice no intra-day. Para se ver livre de um vício só arrumando outro, kkk.