sexta-feira, 30 de maio de 2014

Tags:

Comportamento do Mercado - Maio/2014


Boa noite amigos!

O IBOV resolveu aprontar com os investidores no último dia do mês (-0,75%). Como pode ser visualizado no gáfico abaixo, o índice esteve positivo durante todo o mês chegando a 5,4% no dia 14/05 mas acabou marcando gol contra em 45 do segundo tempo. Apenas o IEEX (1,87%) e o ICON (2,08%) ficaram no campo positivo sendo que o IFNC (-2,23) e o IMAT (-1,95%) apresentaram o pior desempenho.


Quem acabou fazendo bonito foi o IFIX que ficou tímido durante todo o mês mas nos três últimos dias apresentou uma ligeira valorização fechando maio com alta de 1,37%. Abaixo podemos ver o comparativo IBOV x IFIX.


A carteira de ações d'Uó, que esteve perdendo para o IBOV durante todo o mês, virou o jogo no penúltimo dia do maio com gols marcados pelos jogadores Marcopolo e OGPar. O gráfico abaixo mostra como foi o desempenho da carteira ao longo do mês.


A carteira de FIIs d'Uó começou o mês perdendo para IFIX mas na medida em que as distribuições foram caindo em conta foi possível verificar o aumento consistente da rentabilidade. À partir do dia 15/05 a rentabilidade da carteira superou o IFIX permanecendo assim até o fechamento do mês.


Mais uma vez tivemos um excelente mês para as NTNBs. O gráfico abaixo apresenta o desempenho dos títulos da carteira no mês de maio. Terminamos o mês com uma excelente rentabilidade de 5,77%


É isto amigos, fiz apenas um resumão de como foi o desempenho do mercado e d'Uó no mês de maio. No próximo post apresento o balanço mensal como de costume.

Bom fim de semana a todos!
Continue lendo

quinta-feira, 29 de maio de 2014

Tags:

Marcopolo: Sinais de Retomada?


Esta empresa já saiu do meu radar mas como continua encarteirada preciso ficar atendo aos sinais de mercado...


As ações da Marcopolo estão no nível mais baixo dos últimos dois anos.

O motivo: os empresários de ônibus pisaram no freio nas encomendas, fazendo a ação capotar 47% a partir do topo histórico atingido em março do ano passado.

A 3,80 reais, a Marcopolo está negociando a cerca de 12 vezes o lucro estimado para este ano. Há um ano, esse múltiplo era de 18-20 vezes.

Mas a ação pode ter algum alívio em breve. A partir desta sexta, a Marcopolo vai sair da composição do MSCI Brazil, um índice de referência para muitos fundos. Isso tem gerado uma pressão vendedora nas últimas semanas, o que deve terminar amanhã. E, mais importante ainda: a licitação de linhas interestaduais de ônibus, emperrada há meses na Justiça, pode finalmente sair através de uma medida provisória nos próximos 15 dias.

A Marcopolo tem 50% do mercado brasileiro de ônibus e dois clientes principais: os empresários de linhas urbanas (que operam dentro das grandes cidades) e os que operam linhas interestaduais.

Por motivos diferentes, ambos estão segurando os pedidos.

Há um ano, quando os brasileiros foram à ruas exigindo mudanças, a resposta de vários governos municipais foi congelar as tarifas de ônibus — cujo aumento havia sido um dos gatilhos da indignação popular. Assustados com a perspectiva de ficarem muito tempo sem aumento, os empresários cancelaram ou adiaram pedidos de novos ônibus à Marcopolo.

Os outros grandes clientes da empresa, os empresários de linhas interestaduais, também não tem feito novos pedidos porque estão no escuro. Suas permissões para operar as linhas estão vencidas desde 2008. No ano passado, o Governo tentou mudar a regulação do setor e organizar um leilão de concessões, mas resolveu empacotar linhas consideradas atraentes com outras de menor rentabilidade.

O objetivo era universalizar o serviço de ônibus através de um sistema de subsídios cruzados, em que uma linha muito rentável “financia” a operação de outra que não dá dinheiro.

“Mais uma vez, o Governo tentou passar o trator e começou a organizar o leilão sem falar com os empresários”, diz um acionista da Marcopolo. Resultado: o leilão empacou na Justiça e até agora não tem data marcada.

A ANTT informou que está recorrendo da decisão judicial que suspendeu o leilão. Mas agora o Congresso entrou no assunto e restabeleceu o regime de permissões com uma emenda a uma MP, que a Presidente Dilma pode sancionar nos próximos dias.

Apesar dos problemas, a Marcopolo já vê sinais tímidos de melhora.

No primeiro trimestre deste ano, houve uma retomada nos pedidos dos empresários de linhas urbanas. “Aos poucos, aqueles 20 centavos já foram colocados nas tarifas”, diz um analista que acompanha a ação. Mesmo assim, no primeiro trimestre a empresa ainda mostrou uma queda na produção ano contra ano.

Há um ano, as encomendas de ônibus na Marcopolo totalizavam quatro meses de sua produção. No quarto trimestre, passaram a representar apenas dois meses, e agora já estão um pouco acima de três.

“Essa empresa está passando por um problema pontual, não estrutural”, diz um gestor que está comprando a ação. “O que está acontecendo é uma postergação de encomendas. Em algum momento, essas linhas vão ter que ser licitadas, mas o mercado está completamente focado no curto prazo”.

Por Geraldo Samor
Continue lendo

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Tags: , ,

Metal Leve - 1T2014




O Seu Guarda pediu e estão aqui os principais números da Metal Leve. Considero a melhor empresa listada em bolsa no seu setor. O que mais me atrai são os fartos dividendos, mas por outro lado o setor é cíclico e exige maior atenção, principalmente no cenário atual em que estamos observando uma significativa diminuição das vendas no mercado interno bem como na argentina. Temos uma margem relativamente baixa mas um ROE/ROIC aceitáveis.


Pontuei o resultado no primeiro trimestre de 2014 como Ótimo pois a empresa apresentou taxas positivas de crescimento em patrimônio, receita, lucro e margem, ficando com crescimento negativo apenas no ROE. Por outro lado, pontuei o resultado dos últimos quatro trimestres como Excelente, já que a empresa apresentou taxas positivas de crescimento em todos os cinco múltiplos que eu monitoro.


Analisando as dívidas pelos quadros abaixo podemos notar que a empresa opera alavancada. De qualquer forma, o caixa líquido está estável nos últimos 4 anos apresentando ligeiro crescimento nos últimos trimestres. Um ponto positivo é que a dívida em relação ao lucro líquido tem caído e o caixa líquido em relação ao patrimônio tem subido nos últimos trimestres.


A conclusão é que se trata de uma boa empresa candidata a uma carteira de dividendos mas que exige gestão ativa em função da característica cíclica do setor automobilístico. O bom desempenho da empresa nos últimos quatro anos pode ser facilente explicado pela grande quantidade de carros que as montadores jogaram no mercado, já as perspectivas para curto/médio prazo são desafiadoras.
Continue lendo

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Tags: ,

Índices Financeiros - Abril/2014



Carteira RF

- NTN-B Principal 2019
- NTN-B Principal 2035

Carteira RV Dividendos **

- ABEV3
- BBAS3
- CCRO3
- CIEL3*
- CMIG3
- GRND3
- LEVE3
- PSSA3

Carteira RV Crescimento **

- BRFS3
- CTIP3
- EZTC3
- ITUB3*
- MDIA3*
- RENT3
- TOTS3
- UGPA3

Carteira RV FIIs **

AEFI11*
AGCX11*
FCFL11B*
FEXC11B
FIIP11B*
HGBS11*
HGCR11
HGLG11*
HGRE11*
NSLU11B
PLRI11
RBRD11*
RNGO11
SDIL11*
VRTA11*
XPGA11

* Ativos que ainda não fazem parte do portfolio atual
** Lista dos ativos a serem comprados à partir do segundo semestre de 2014
Continue lendo

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Tags: , ,

Ambev - Hoje é sexta-feira, traga mais cerveja!


Mas beba com moderação, e se for dirigir não beba!




Continue lendo

terça-feira, 20 de maio de 2014

Tags: ,

Tesouro Direto: A Renda Fixa Variável


Nas últimas semanas tenho dedicado um esforço extra para colocar minha carteira de ações no prumo. Já realizei o 'enxugamento' do número de ativos monitorados de 40 para 20 e, como não entrará dinheiro novo nas corretoras nos próximos 3 meses (aumento do colchão de segurança em função do filho que está chegando), então terei mais algumas semanas para realizar novas análises antes de retomar os aportes periódicos.

A carteira de ações segue então caminhando a passos lentos em função da sua baixa rentabilidade muito provavelemte devido à alta diversificação da mesma. Porém, tenho verificado uma rentabilidade extraordinária na carteira de renda fixa nos últimos meses o que tem segurado a rentabilidade geral dos investimentos.

Na figura abaixo apresento o desempenho geral dos títulos do tesouro que eu possuo (NTN-B Principal 2019 e NTN-B Principal 2035) no mês corrente:


Os aportes que realizei este ano estão apresentando rentabilidade bem interessante visto que este é um investimento de renda fixa:

03/12/13 - Preço 583 - Bruto atual: 16,81%
06/01/14 - Preço 606 - Bruto atual: 12,54%
04/02/14 - Preço 561 - Bruto atual: 21,57%
21/03/14 - Preço 574 - Bruto atual: 18,69%

Claro que é uma rentabilidade bruta momentânea uma vez que o objetivo é carregar o título até o seu vencimento e até lá teremos grande variação de preços.

O objetivo deste post foi apenas demonstrar ao investidor iniciante que investimentos em renda fixa, no caso em questão investimentos em tesouro direto, podem trazer uma grande variação de rentabilidade da carteira, tanto para cima quanto para baixo, de acordo com os momentos de mercado e aportes realizados.

É importante então que o investidor saiba onde está pisando e adote uma estratégia compatível com seus objetivos. Minha conduta no momento é de observação, meu último aporte na categoria foi em 21/03/14 e não momento não vejo novas entradas.
Continue lendo

sábado, 17 de maio de 2014

Tags: ,

Melhores Ações da Bolsa (com ou sem crise)


Estudo da Credit Suisse Hedging Griffo mostra quais são as melhores e piores opções na bolsa, com ou sem crise:

 
1 - Oligopólios: Empresas que possuem uma participação relevante nos segmentos em que atuam. Não por acaso, a capacidade de influenciar nos preços de mercado e a possibilidade de impor barreiras fortes à entrada de novos concorrentes são um bom negócio.

2 - Empresas de Qualidade: Termo difícil de definir, qualidade, na pesquisa da Credit Suisse Hedging Griffo, é a capacidade de uma empresa de oferecer uma rentabilidade de investimentos consistentemente superior a seu custo de capital. Empresas assim reconhecidas são as queridinhas do mercado, e suas ações são muito valorizadas. O interessante é a confirmação de que, mesmo sendo papéis caros, eles costumam ter um desempenho muito bom.

3 - Estatais: Não fizeram uma figura tão ruim quanto as pré-operacionais e as pechinchas. Cabe aqui um alerta de que essa é uma média simples, ou seja, empresas menores são comparadas com Petrobras e Banco do Brasil, alguns dos papéis mais negociados do mercado.

4 - Empresas “Deep Value”: Nome bonito para as pechinchas de mercado. São ações negociadas a preços inferiores ao valor patrimonial.

5 - Empresas Turnaround: Vendidas pelos consultores como uma panaceia, as reestruturações não têm agregado valor aos acionistas.

6 - Empresas “Dream Cap”. Sãos as empresas pré-operacionais. Independentemente da qualidade da empresa, estabelecer um preço justo para as ações é difícil, o que amplia os riscos.

Convido o leitor atento a listar as principais representantes de cada grupo.
Continue lendo

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Tags: ,

Recorde Histórico no Yield dos FIIs


Este é um post "a lá Seu Guarda". Um cara pelo qual tenho grande extima pois além de ser o maior colaborador do portal é um dos pequenos investidores que mais tem se dedicado à difícil arte de investir em fundos imobiliários.

Hoje pingaram as últimas distribuições de FIIs do mês nas corretoras e foi possível calcular o yield mensal. A carteira obteve a maior pontuação nos seus nove meses de vida, extraordinários 1,09% como pode ser visualizado no gráfico abaixo.


Com a contabiluzação das distribuições a carteira está valorizando 1,08% no mês contra 0,92% do IFIX como pode ser visualizado no painel Radar do Mercado do blog.

Agora tenho apenas dois meses para me livrar do restante do VLOL pois pelo que tudo indica vai ser difícil pingar dinheiro nesta conta à partir de agosto.

Boa noite!
Continue lendo

sábado, 10 de maio de 2014

Tags: ,

Educação para Todos


Quem ANIMA pegar este bonde andando? SERá que vale a pena?

Os gráficos abaixo mostram o desempenho dos preços das empresas do setor de educação listas na bolsa brasileira. Confesso que tenho acompanhado atônito a subida vertiginosa da Kroton, Estácio e Anhaguera há meses. Até comprei um pouco da Kroton no ano passado mas por motivos desconhecidos (ops) me desfiz do papel.

Como tenho um bloqueio natural para comprar papéis tão 'esticados' minhas atenções se voltaram para a SEER3 e a ANIM3.

E você leitor, o que pensa deste setor? É um dos poucos que o governo tem interesse de meter a mão, pelo contrário, o objetivo é incentivar cada vez mais a educação para todos.


Bom fim de semana!
 
Continue lendo

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Tags: , , , , ,

Itaú Unibanco, Banco do Brasil, Bradesco e ABC Brasil: Qual é o Melhor Banco?


Olá amigos,

Como a maioria já sabe, estou fazendo alguns ajustes na minha relação de ativos candidatos a aportes. E uma das dúvidas que eu tenho é em relação aos bancos da carteira, mais especificamente em relação ao 'bancão' que a carteira deve contemplar.

Até então vinha aportando no Banco do Brasil (grande) e no Banco ABC Brasil (pequeno). Em relação ao ABC estou muito satisfeito até o momento mas aceito outras sugestões dos colegas para análise. Já em relação ao banco grande estou pensando em parar de aportar no BB trocando-o pelo Itaú.

Para apoiar minha decisão realizei um compilado de análises que pode ser verificado mas figuras abaixo. Coloquei também o Bradesco na lista de análise bem como o ABC. Já sabendo que dificilmente o Bradesco entrará na carteira bem como o ABC dificilmente sairá.

Itaú Unibanco


Banco do Brasil


Bradesco


ABC Brasil


Crescimento de Lucro no Ulitmo Trimestre

1 - Itaú: 7,58%
2 - ABC:  4,5%
3 - Bradesco: 4,36%
4 - BB: 1,21%

Crescimento de Lucro em Quatro Trimestres

1 - ABC: 21,99%
2 - Itaú: 19,42%
3 - Bradesco: 8,93%
4 - BB: 29,69% (se desconsiderado o não recorrente de 2T2013 temos um crescimento negativo)

ROE Atual

1 - Bradesco: 17,1%
2 - BB: 22,39% (se desconsiderado o não recorrente de 2T2013 temos um ROE em torno de 16%)
3 - ABC:  14,11%
4 - Itaú: 13,99%

Crescimento de ROE no Ulitmo Trimestre

1 - Itaú: 7,08%
2 - Bradesco: 0,97%
3 - ABC:  0,88%
4 - BB: -1,06%

Crescimento de ROE em Quatro Trimestres

1 - Itaú: 13,46%
2 - ABC: 7,88%
3 - Bradesco: 3,16%
4 - BB: 12,24% (se desconsiderado o não recorrente de 2T2013 temos um crescimento negativo)

Relação Receita / Patrimômio

Para realizar esta análise plotei a evolução das receitas em relação à evolução do patrimônio. Meu objetivo é determinar se o aumento do tamanho da empresa está sendo acompanhado por um aumento de receita líquida.

1 - Itaú
2 - BB
3 - ABC
4 - Bradesco

Obs.: Para o análise de bancos estou utilizando o resultado bruto de intermediação financeira como parâmetro de receita.

Avaliação Final

1 - Itaú (apesar de ter o menor ROE, é o que tem apresentado maior taxa de crescimento)
2 - ABC (pouco efetivo comparar com os grandes, talvez vale um comprativo com outros de tamanho equivalente, mas ficou bem colocado em relação aos grandes)
3 - BB (o não recorrente do ano passado resultante da venda do Brasil Seguridade atrapalhou um pouco as análises, mas é claro que seu desempenho está inferior ao Itaú e até mesmo ao Bradesco em certos pontos)
4 - Bradesco (banco com lucros bem consistentes mas apresentou uma curva receita/patrimônio irregular)

Próximos Passos

Foi analisado neste estudo apenas os principais múltiplos fundamentalistas, porém, para uma análise mais efetiva, é interessante traçar outros parâmetros como: Margem Bancária, Índice de Eficiência, Índice Brasileia, Provisão para Devedores Duvidodos, dentre outros.

E você leitor, quais outros aspectos considera importante avaliar?

Continue lendo

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Tags: , ,

Convocação da Seleção Brasileira


Aproveitando o clima de copa do mundo que começa a se instaurar na nação, segue a lista dos possíveis convocados para entrar em campo:

Ações 

ABCB4
ABEV3
ALUP11
BBAS3
BRFS3
BRIN3
BRML3
BRPR3
CCRO3
CGAS5
CMIG3
CTIP3
DIRR3
ETER3
EUCA4
EZTC3
GGBR4
GRND3
HGTX3
LEVE3
NATU3
PETR4
PNVL3
POMO4
RAPT4
RENT3
SAPR4
SEER3
SLCE3
STBP11
TAEE11
TBLE3
TOTS3
UGPA3
VALE5
VIVT3

ITUB3
MDIA3

FIIs

AEFI11
AGCX11
BRCR11
CEOC11B
FCFL11B
FEXC11B
FIIP11B
HGBS11
HGCR11
HGLG11
HGRE11
KNRI11
NSLU11B
PLRI11
RBRD11
RNGO11
SDIL11
SPTW11
VRTA11
XPGA11

Continue lendo

sábado, 3 de maio de 2014

Tags:

Balanço Mensal - Abril/2014


1 - Rendimentos Gerais

Avaliação mensal: Em abril/2014 o rendimento foi positivo (0,21%) mas abaixo dos principais índices de mercado (IPCA 0,8% / IGPM 0,78% / CDI 0,82% / Poupança 0,55% / IBOV 2,41% / IFIX 1,1%)

Carteiras de investimento: Destaque positivo para a carteira de renda fixa (2,45%) e renda variável mista mista (0,66%) mas negativo paras as carteiras de renda variável dividendos (-0,37%) e renda variável crescimento (-1,11%).


2 - Ações

Início de Posição: GGBR4
Aumento de Posição: ALUP11, BRIN3, CGAS5, EUCA4, GRND3, LEVE3, OGXP3, PNVL3 e POMO4
Diminuição de Posição: BBAS3, BRFS3, BRPR3, CCRO3, CMIG3, CTIP3, PETR4, RENT3, TAEE11 e TOTS3

Diminuições de Posição Previstas: GRND3 e BRIN3
Aumentos de Posição Previstos: ALUP11, ABEV3, TBLE3, SLCE3, EZTC3, VALE5 e SEER3


Avaliação Setorial: Os setores Consumo Cíclico e Financeiro estão com percentual de alocação acima do limite máximo por setor (15%). Com as futuras vendas de GRND3 e BRIN3 tais setores ficarão dentro do limite estabelecido. Para os próximos meses é desejável um aumento de alocação nos setores Utilidades, Consumo não Cíclico e Commodities. Estudando também o início de posição no setor Ensino.


3 - FIIs

Início de Posição: PLRI11
Aumento de Posição: Nenhuma
Diminuição de Posição: VLOL11

Diminuições de Posição Previstas: VLOL11
Aumentos de Posição Previstos: Nenhum


Avaliação de Yields Mensais: Os rendimentos de FIIs têm se mantido em níveis excelentes (acima de 0,95%) muito em função dos FIIs atrelados à inflação e dos FIIs de renda mínima garantida. A tendência é que os yields diminuam ao longo dos próximos meses com o fim de algumas RMG e com o ingresso na carteira de FIIs de renda real porém com yields sensivelmente menores. 


4 - Proventos Gerais

Avaliação dos Dividendos e JSCP: Neste mês foi observado um aumento sensível nestes proventos (0,21% e 0,09% respectivamente do capital total investido em renda variável).

Avaliação dos Aluguéis de Ações: Apuramos um rendimento de 0,04% nos aluguéis. Como o mercado segue comprador  fica muito difícil alugar ações com taxas atrativas. Mas o dinheiro que pinga semana a semana já é suficiente para comprar uns 5 pacotes de fralda no fim do mês, rs.


Avaliação de Proventos Mensais: O valor apurado de 0,77% sobre todo o total investido em renda variável no mês permite dizer que abril foi um bom mês de recebimento, perdendo apenas para os meses de novembro, dezembro e janeiro últimos.


5 - Alocação de Ativos

As alocações dos ativos está bem próxima da almejada, notamos apenas um ligeiro aumento de 2 pontos percentuais na modalidade FIIs (ideal máximo de 30%). Já as modalidades Ações e TDs estão exatamente níveis máximos estabelecidos (45% e 15% respectivamente). O dinheiro em caixa (4%) e em poupança (4%) somados estão abaixo do limite mínimo para capital de alta liquidez (10%).


Continue lendo

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Tags:

Avaliação de Desempenho de Rendimentos - Abril/2014


Rendimento anual até o fechamento de abril/2014: -1,84%

[ ] Excelente - acima de 3,74% (CDI + 0,5)
[ ] Ótimo - acima de 3,24% (CDI)
[ ] Bom - acima de 2,99% (IPCA)
[ ] Regular - acima de 2,26% (Poupança)
[ ] Ruim - acima de 0,23% (IBOV)
[X] Péssimo - acima de -2,27% (IBOV - 2,5)
[ ] Horrível - abaixo de -2,27%
 
Continue lendo