sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Geraldo Rufino - Quebrou 4 Vezes e Hoje Fatura 60 Milhões por Ano


Para quem não conhece, um pequeno vídeo (desconsiderem a propaganda no final) sobre Geraldo Rufino e sua inspiradora história de vida...


Esta reportagem do ano passado da Época Negócios mostra a trajetória de reveses e sucessos do empreendedor, apontando também o papel ativo que teve para fazer com que a Lei dos Desmanches fosse regulamentada em São Paulo.

Geraldo Rufino é negro e contra o sistema de cotas raciais. "A cota tem de ser social, não racial. Não tem descriminação pior que essa. É uma vergonha mais uma vez colocar na cabeça do negro que ele é inferior. Acho uma humilhação, não uma oportunidade”, argumenta.

No Dia Nacional da Consciência Negra achei pertinente fazer este post.

16 comentários:

  1. Muito bom! O problema é que o Governo do PT só conhece as contas de dividir e subtrair...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não aguento mais esses alienados! tudo é culpa do PT. Caralho! sistema de cotas já existia a muito tempo. Porra, pode reclamar do PT mas daí falar que qualquer merda que acontece é culpa do PT é ser um analfabeto político.

      Excluir
    2. Alienado? Veja se quem instituiu essa política de cotas para negros no âmbito federal não foi o Governo Dilma:

      http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L12990.htm
      http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm

      Excluir
  2. Já disse " n " vezes : não há racismo no Brasil ( nos EUA há ). Mas aqui há o preconceito social. Digam-me, um negro bem de vida e um branco pobre da periferia. Quem sofre mais preconceitos? Mas o filho do negro rico tem um " plus a mais " para entrar na faculdade e o do branco pobre não. Pelé teve problemas quando rico e famoso para pegar Xuxa e outras ? Querem nos vender uma realidade que não condiz com nosso país, empurrar guela abaixo e isso sim, paulatinamente vai gerando a discórdia e racismo. Todos são iguais perante a lei, isso já basta como lei racial, homofóbica, feminista, etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui e em todo lugar existe preconceito social, racial (erroneamente chamado assim porque raça só existe uma - a humana), de gênero sexual, etc. Em maior ou menor nível eles estão por aí.

      Excluir
  3. Quem quiser ouvir mais da história do Geraldo Rufino dê uma ouvida no podcast do Flávio Soares (GVcast, só procurar no google!). A história do Rufino é impressionante! Começou do zero e com muito esforço e, sem perder o bom humor, chegou ao sucesso.

    ResponderExcluir
  4. Haahahaha boa a história, o cara é uma figura ...

    ResponderExcluir
  5. Viram como foram idéias simples? As vezes muito estudo não levam a nada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não necessariamente estudou em um banco de faculdade, mas com certeza estudou bastante coisa, estou o mercado, encontrou um nicho, uma oportunidade, talvez por acaso (a quebra dos primeiros caminhões), mas abraçou a ideia e trabalhou em cima, fez acontecer, melhorou, aperfeiçoou, montou uma equipe, motivou, liderou, etc.

      Excluir
  6. Eu acredito que o estudo do caso é muito importante mas a experiencia adquirida nas quebras dele foram fundamentais para se levantar. Aprender com os erros, ganhar experiencia administrativa, saber se deve ousar mais ou menos e o otimismo que não acaba dele é impressionante! Muitas vezes me vi desmotivado e qd olhamos em volta temos exemplos de cara como esse, tu imagina tu quebrar e ficar devendo 16milhoes uhaahuauhauhauha , e ai a gente reclama ainda

    ResponderExcluir
  7. Cara, muito bom! Difícil ver esse tipo de história aqui no Brasil. Acho que esse tipo de postagem são as que realmente agregam valor a comunidade. Muito agradecido por você ter apresentado essa bela história pra nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. História inspiradora, fico satisfeito em divulgar.

      Excluir
  8. Não existe preconceito racial no Brasil. Assinado: Cara branco; Pergunte a qualquer negro que costuma mesmo que de vez em quando ir a lugares frequentados pela "elite social" em SP ou qualquer outro lugar se ele já sofreu discriminação, procure processos em grandes shoppings e supermercados por processos onde negros foram pegos em flagrante roubando seus próprios carros. Ser negro e ser pobre parece a mesma coisa mas não é, a primeira se resolve com dinheiro, a segunda com educação. Sou contra discriminação social e racial.

    ResponderExcluir